O cristão acredita em toda a Bíblia – Parte 2

O cristão acredita em toda a Bíblia

 1ªPe 3:18; 4:6

“Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no Espírito…

Pois para este fim foi o evangelho pregado também a mortos, para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus.”

 ALMAS PERDIDAS

O que significa “o evangelho pregado também para aqueles que estão mortos”? Significa que há almas perdidas. As Escrituras chamam isso de “espíritos na prisão” e “aqueles que estão mortos”. Algumas dessas passagens são identificadas como sendo a população da terra no tempo do dilúvio de Noé. Eles ouviram a mensagem pregada e a negaram ou recusaram, eles a rejeitaram, e o resultado foi que eles pereceram juntamente com suas ações perversas quando o dilúvio veio. Isso nos ensina que todos estes foram para o lugar da morte – Hades, no Novo Testamento, Seol no Antigo. E o corpo de Cristo, quando ele morreu, ficou deitado três dias no sepulcro novo de José, mas seu espírito não estava em Seu corpo, e sim separado temporariamente de Seu corpo, e nesse espírito Ele então pregou aos espíritos que estavam no Hades, os espíritos na prisão.

       A declaração de fé dos Apóstolos diz isto acerca de nosso Senhor, “Que foi concebido pelo Santo Espírito, nascido da virgem Maria, sofreu pelas mãos de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morreu e foi sepultado; Ele desceu ao inferno. Ao terceiro dia Ele ressuscitou dos mortos…”

      É somente isto que Pedro e Paulo dizem. Quando o espírito de Jesus Cristo foi libertado do corpo crucificado, ele não repousou calmo ou pairando sobre o túmulo. Jesus Cristo, o Filho Eterno, em Seu espírito, tinha um trabalho a fazer. O trabalho que Ele tinha a fazer era ir, descer ao inferno, ou seja, descer não ao fogo do inferno para punição, mas descer ao lugar dos mortos e ali pregar a Palavra para aqueles que tinham morrido e cujos espíritos estavam confinados ali. E então ele pregou o fundamento da posição de Noé, e lhes disse por que o julgamento tinha vindo e Ele justificou os caminhos de Deus até o homem e explicou o que tinha acontecido, de maneira que eles pudessem saber que eles estavam sendo tratados como seres inteligentes.

       Deus trata cada ser humano como um ser inteligente. Você pode não ser tão inteligente quanto Einstein, mas você é moralmente inteligente, e Deus jamais violará a sua inteligência. Não significa que você pode simplesmente fechar os olhos, e engolir tudo o que é dado a você. Ele quer dizer que você é um inteligente ser moral e, portanto, Ele não vai violar a sua inteligência nem vai tratar você como um idiota.

       Em uma corte de justiça de um tribunal americano, algo assim acontece: a evidência é ouvida, o júri sai e delibera, então volta e eles declaram o acusado culpado. O juiz diz, “O acusado, por favor, coloque-se de pé e olhe para a corte.” O acusado se levanta e o júri diz algo assim “Sr. Fulano de Tal, a evidência foi ouvida e os pares do júri decidiram pela evidência que o senhor é considerado culpado de tal e tal crime. Antes de ser sentenciado, há algo que o senhor gostaria de dizer?” Em outras palavras, “Estamos prestes a sentenciá-lo, mas não vamos abnegar sua inteligência, não estamos tratando você como a um robô. Você é um ser humano inteligente, e capaz de nos julgar; e se nós como juiz e júri estivermos errados, nos julgue. Portanto, quero esclarecer esta questão por completo. Você tem algo a dizer?”

      Geralmente, o acusado não tem, mas se houvesse algo a dizer em sua defesa, este inteligente pecador o diria ao juiz, e o juiz daria a isso uma consideração respeitosa; porque as cortes americanas não vão condenar um homem à cadeira elétrica ou à prisão. Eles vão agir de acordo com as leis da justiça, com todo o júri ali e todo o processo aberto diante dos olhos da humanidade.

      Assim, Deus diz que todos os ímpios seriam sugados por um dilúvio e atirados para o lugar dos mortos, e eles nunca verão a bem aventurança do céu ou conhecerão a Deus. Mas nós não estamos simplesmente indo procurá-los. Eles são humanos, inteligentes, criaturas morais, capazes de exercitar juízo em sua própria vida; e, portanto, o eterno Filho de Deus veio perante os espíritos na prisão e pregou para eles ali. Ele pregou a eles porque eles estavam vivos em seu espírito; eles tinham pecado na carne e estavam para ser julgados pelos dias que viveram na carne.

      Se você não acredita nisto, deixe-me dar a você alguns trechos da Escritura para mostrar porque Cristo desceu ao lugar dos mortos, porque Ele desceu ao inferno. Efésios 4:8_10, diz, “Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. (Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até às regiões inferiores da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.)”

       Quando o corpo de Jesus Cristo estava no túmulo, seu espírito foi aos cativos no lugar dos mortos, e ele pregou a libertação deles. Que Ele ressuscitou, Ele levou consigo todos os espíritos redimidos dos homens resgatados, que haviam sido presos no lugar dos mortos, no Hades. Lembre-se, Jacó disse que ele desceria ao túmulo – descer ao Seol, Hades – de luto por seu filho (veja Gn 37:35). Quando Samuel, o homem morto, voltou dos mortos, ele saiu da terra (veja 1ªSm 28:13); mas depois de Cristo levar aqueles redimidos com Ele aos céus, ao lugar do Paraíso, Paulo disse que Ele foi arrebatado ao paraíso, ao terceiro céu (veja 2ªCo 12:2_4) – não para baixo, mas para cima.

      O próprio Senhor, o Senhor da vida e glória, tirou seus resgatados do lugar dos mortos. Esse lugar dos mortos continha não somente redimidos, mas aqueles que não eram redimidos, separados, todavia, por um abismo, um grande abismo, que foi pré-determinado. Lázaro e o homem rico explicam isso. Quando o homem rico morreu, ele foi ao lugar dos mortos, mas desta vez para o seio de Abraão, com um grande abismo pré-determinado entre eles. Então nosso Senhor desceu após sua morte, Ele desceu ao Hades, e levou com Ele aos céus todos os que estavam no seio de Abraão, deixando os demais ali; mas ao fazê-lo Ele o explicou e pregou em Seu espírito para todos aqueles que estavam no lugar dos mortos.

      Se isso não for suficiente, deixe-me dar a você Filipenses 2:9_11: “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.” Então não somente aqueles no céu e aqueles na terra, mas aqueles no inferno são forçados a confessar com sua língua que Jesus Cristo é Senhor; e isto eles fazem para a glória de Deus Pai.

 O JULGAMENTO VERDADEIRO E JUSTO

       Pedro não ensina universalismo, somente que Jesus Cristo, nosso Senhor, enquanto seu corpo jazia no túmulo, entrou no do Seol, o lugar dos mortos. Ali ele pregou libertação ao resgatado e julgamento para o perdido, levou consigo os seres resgatados e deixou os perdidos para o julgamento do Grande Dia. Mas todo aquele que está sob a terra, vive na terra, e todas as criaturas de todo o lugar admitem que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus Pai.

      Este Jesus Cristo, nosso Senhor, não vai se pronunciar sobre aquele que prazerosamente se submeter ao seu domínio. Ele não vai forçar o seu domínio sobre um ser humano ou uma criatura moral. Mas ele vai forçar as línguas relutantes, até mesmo dos perdidos, a admitir o fato de que Ele está certo. “Senhor Deus Todo Poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos” (Ap 16:7) será o único texto no inferno. Não estou certo se existirá percepção deste terrível lugar. A fim de que isso fosse conhecido por todos os mundos acima, sobre a terra e debaixo dela, tinha que existir uma declaração de todo o plano de Deus não apenas para aqueles que estão mortos, mas também para aqueles que vivem.

       Não há uma sentença, frase, palavra, nenhuma carta na Bíblia que ensine que Jesus alguma vez tenha pregado o evangelho aos mortos e dito a eles, “Vinde a Mim.” Ele disse “Vinde a Mim” para os viventes. Ele pregou o evangelho da redenção e fez um convite, e disse, “Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” (Hb 9:27). A pregação aos mortos foi feita de maneira que os mortos, bem como os viventes – os perdidos bem como os salvos – pudessem saber o quanto verdadeiro, honesto e justo é o nosso Deus, e quão impecável é Seu caráter, quão santos são seus caminhos, e que Ele faz todas as coisas muito bem.

BIBLIOGRAFIA: VIVENDO COMO UM CRISTÃO

EDITORA MOTIVAR

A.W. TOZER(1897 – 1963)

Esse post foi publicado em Autores Diversos, Estudo Biblico. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s