Na base da educação brasileira

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Assista a seguir ao vídeo preparado pela Rede Mãos Dadas para a Campanha Meu Educador Social Cristão.

Escolas ligadas a denominações cristãs tiveram papel decisivo na consolidação do ensino no país.

Por Treici Schwengber

Independentemente da polêmica em torno do ensino do criacionismo não só em aulas de religião, mas também nas de Ciências ou de Biologia, há o consenso de que as escolas confessionais desempenham um papel fundamental na educação brasileira. E isso não começou agora, mas em 1870, no bairro da Luz, em São Paulo, com a criação da primeira instituição de ensino protestante, a Escola América, por missionários presbiterianos. A instituição apresentava classes mistas com meninos e meninas e uma nova pedagogia, recebendo elogios do imperador D. Pedro II, que a visitou em 1876. A Escola América deu origem ao Sistema Educacional Mackenzie. Para o historiador José Carlos Barbosa, os protestantes foram os principais responsáveis pela inclusão da educação na agenda do país. “E não podia ser diferente, já que para ser protestante era necessário ter um mínimo de escolaridade a fim de ler a Bíblia”, observa. Barbosa lembra que, no Rio de Janeiro de 1837, os crentes metodistas criaram a primeira escola dominical do país, precursora de muitas outras experiências educacionais da denominação.

Além das classes mistas, as escolas confessionais foram responsáveis por trazer outras mudanças, como destaca o historiador: “A primeira delas é referente à educação da mulher, que não tinha espaço na sociedade brasileira. A criação de um colégio para educar mulheres foi uma coisa ‘escandalosa’ e ajudou a própria sociedade brasileira a refletir sobre a questão”, explica, referindo-se à fundação do Colégio Piracicabano, no interior paulista, em 1881. Outra mudança implementada pelos educadores confessionais, segundo Barbosa, foi a introdução do Jardim de Infância. “Parece uma coisa simples, mas as implicações foram muitas, já que a iniciativa mostrava uma maneira diferente de tratar as crianças.”

Além das inovações específicas, as escolas protestantes foram inclusivas, pois além das mulheres, elas passaram a ensinar aos pobres. “Além das escolas destinadas à educação dos filhos da elite brasileira, as denominações protestantes também organizaram milhares de escolas paroquiais para atender crianças oriundas de famílias carentes”, lembra. Para o teólogo batista Israel Belo de Azevedo, doutor em filosofia e reitor do Seminário Batista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro, os colégios confessionais exerceram um importante papel na construção da cidadania de parte importante da população brasileira. “Além disso, essas escolas eram um contraponto ao único ensino privado existente, de orientação católico-romana”, lembra Israel, que também é pastor batista. Ele ressalta ainda o papel crucial das escolas confessionais evangélicas na popularização da prática de esportes no Brasil.

Com a proclamação da República, em 1889, e a consagração do Estado laico, aumentou o número de escolas confessionais no país. Hoje, segundo a Associação Brasileira de Instituições Educacionais Evangélicas (ABIEE), elas somam em torno de 900 unidades, oferecendo do maternal até o ensino superior. Para o reitor da Unasp, Euler Pereira Bahia, além de sua importância educacional, os colégios confessionais se destacam por sua abordagem: “A virtude de uma escola confessional reside em sua visão abrangente do ser humano. É por isso que ela trabalha, além da dimensão intelectual, física e social do indivíduo, o desenvolvimento dos aspectos moral e espiritual. Isso se justifica porque é difícil desenvolver uma consciência de moralidade à parte da espiritualidade”, opina.

Muitas personalidades brasileiras passaram pelos bancos de instituições confessionais. Autor de Casa-Grande & Senzala, o sociólogo pernambucano Gilberto Freyre, por exemplo, foi educado em um colégio batista. Da mesma forma, Ariano Suassuna, autor de O Auto da Compadecida, deu seus primeiros passos estudantis no Colégio Americano Batista. Artur da Távola, escritor, intelectual e político falecido em 2008, cursou o Colégio Batista Sheppard, no Rio de Janeiro. O ex-governador gaúcho e fluminense Leonel Brizola também estudou, na infância, em uma escola metodista.

Cristianismo Hoje

Postado em 10/12/2010

Anúncios
Esse post foi publicado em A família, Cristianismo Hoje, Educação, Mensagens Pessoais, Periódicos, Ultimato. Bookmark o link permanente.

22 respostas para Na base da educação brasileira

  1. Ensino religioso em escolas públicas: confessionalidade e laicidade

    O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou, no dia 27 de setembro, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439 apresentada pela Procuradoria-Geral da República que alegava que, em respeito ao princípio constitucional de laicidade do estado, o ensino religioso em escolas públicas não deveria ser confessional e tampouco interconfessional. No primeiro caso, por privilegiar uma confessionalidade sobre outras e por ferir o princípio de não-proselitismo previsto na lei 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação). E, o segundo caso, por intencionar encontrar pontos de convergência entre várias confissões religiosas, mas não apreciar o ateísmo e o agnosticismo como, igualmente, formas de encarar a religiosidade.

    Estado laico

    A alegação de inconstitucionalidade foi considerada improcedente pelo STF por seis votos a cinco. De acordo com a ministra Carmem Lúcia, a confessionalidade não fere o princípio de laicidade visto que o ensino religioso é ofertado facultativamente, ou seja, não obrigatório.

    Houve uma ampla discussão nas redes sociais a respeito, e de fato, entre evangélicos o tema é tratado de forma bem diversificada. Evangélicos em geral, parecem não ter uma opinião clara sobre o tema, talvez, pelo simples fato de que a igreja já se presta a um óbvio papel de educação religiosa. Entretanto, o que fica evidente é que católicos insistem na confessionalidade do ensino religioso em escolas públicas, particularmente a confissão católica romana. Por outro lado, muitos laicistas insistem em associar laicidade com não-confessionalidade do ensino religioso. De qualquer forma, a questão que está em pauta dentro da legislação vigente é: a educação religiosa em escolas públicas deve ser confessional, interconfessional, não-confessional ou multi-confessional? E, claro, a discussão levanta indiretamente uma outra questão: o ensino religioso é relevante para a educação pública?

    Confessionalidade ampla

    Antes de avançar em qualquer reflexão séria sobre a questão, a própria noção de confessionalidade deve ser claramente definida. A meu ver, confessionalidade deve ser entendida em sentido amplo. Neste caso, ela deveria ser concebida como um sistema de crenças fundado em alguma certeza (com status absoluto¹) que orienta e oferece sentido último para a vida, e por isso, afeta o senso de justiça, ética, dignidade humana e sociedade. Sendo assim, teístas, deístas, panteístas, ateístas, e mesmo agnósticos são todos, inevitavelmente, portadores de um sistema de crenças (cosmovisão), ou seja, uma confessionalidade formal ou informal.

    A diferença é que umbandistas acreditam em orixás como forças vitais, cristãos e judeus na existência de um único Deus pessoal que governa o universo, enquanto ateus sustentam a crença na não-existência de Deus, e em geral, adotam algum “absoluto” (ao invés de alguma divindade evidente) que oriente suas posições sobre ética, direitos, justiça e dignidade humana. Alguns absolutos não-teístas podem ser: a razão, a ciência, o capital, a utopia, a matéria, a cultura, o afeto, a história ou a natureza. Mesmo laicistas, que se esforçam para sustentar uma neutralidade religiosa do estado, em última instância, não são confessionalmente neutros, no sentido aqui tratado. Eles possuem uma crença de que a escola pública não deve ser lugar de proselitismo religioso, mas não questionam o proselitismo materialista, racionalista, naturalista, historicista ou partidário, que são, em última instância, sistemas de crenças.

    Não existe neutralidade confessional

    Alguém deveria questionar ou alegar que se deve manter uma fronteira clara entre religião e não-religião. Mas, o que seria o não-religioso? O ateu? O agnóstico? Religião é uma tentativa de encontrar sentido existencial a partir de um lugar seguro ou de uma referência confiável para que o conhecimento e o sentido sejam possíveis. Uma existência sem o mínimo de possibilidade de conhecimento e sentido reais é perturbadora. Basta olhar para o atual ufanismo científico e tecnológico para constatar seus intentos soteriológicos.

    A ciência moderna, por exemplo, seria inviável sem esta pulsão supra-teórica, esta inquietação que dirige o homem inevitavelmente para algum tipo de senso de ordem, causa ou propósito. O filósofo reformacional Herman Dooyeweerd traz uma interessante contribuição sobre esta pulsão religiosa universal e inevitável:

    Uma reflexão filosófica que não se direciona para a relação religiosa central será obrigada a buscar o ego no horizonte temporal de nossa experiência a fim de evitar um resultado niilista. Consequentemente, tal reflexão abandonará a atitude crítica e fará do ego central um ídolo, absolutizando um dos aspectos modais de nossa consciência temporal. E aqui está a origem de ídolos tais como o ego psicológico, o lógico-transcendental, o histórico e o moral (Dooyeweerd, 2010, 81). ²

    O que o filósofo holandês observa é que toda busca por sentido (reflexão filosófica) que não se direciona para o transcendente, irá inevitavelmente buscar na imanência (no que é temporal) algum lugar seguro para se evitar o vazio ou a negação de qualquer sentido (niilismo). O niilismo seria insuportável e traria consequências morais e existenciais destrutivas. Uma vez que o ser humano precisa de um “lugar seguro” (absoluto), ele depositará sua confiança (fé) em algum aspecto imanente e temporal (sociedade, matéria, natureza, razão, moral, história etc) para a partir deste “lugar” tentar interpretar a totalidade da realidade. Dooyeweerd retoma o termo bíblico “idolatria” para descrever esta tendência humana de conceder atributos divinos (absolutização) ao que é “criado”.

    Agora é mais fácil perceber as fronteiras entre uma autêntica busca por laicidade estatal e um laicismo de natureza secularista. Este último, ignora o “impulso religioso inato do ego” (Dooyeweerd, 2010, 82). Alguns ministros do STF argumentaram corretamente: a religiosidade é inevitável, bem como, a influência cristã sobre a sociedade brasileira. É natural, inclusive, que as diversas confissões religiosas estejam presentes nos diversos espaços públicos, pois dizer que o estado é laico não é sinônimo de suspensão de crenças religiosas, institucionalização do ateísmo ou neutralidade confessional de seus cidadãos, mesmo em questões públicas. Ao contrário, laicidade exige diversidade confessional e a não abstração da integridade humana, inclusive, de sua dimensão religiosa. A bem da verdade, este é um cuidado presente na ADI em questão.

    Escola pública: lugar de pluralismo de verdade

    Por estado laico entende-se aquela dimensão pública de governança (o estado) onde nenhuma religião pode receber privilégios ou favorecimentos estatais, ao mesmo tempo, que se reconhece e garante proteção às diferentes “comunidades confessionais”. Este termo utilizado por Jonathan Chaplin³ se refere aos diferentes agrupamentos em torno de sistemas de crenças particulares em uma sociedade plural. Sem um claro reconhecimento das diversas confissões dentro da sociedade civil pelo estado, o conceito de laicidade será absorvido ou confundido com secularismo. Partindo dessa definição, pode-se avançar sobre a relação entre escola pública, estado laico e sociedade plural.

    A escola pública é um instituição estatal e comum. Por esta razão, ela tende a ter representado entre seus partícipes os diversos membros da sociedade. Sendo a sociedade plural, a escola também deve apreciar a pluralidade da sociedade que ela representa. Se é inerente à pluralidade social uma diversidade de confissões, logo, a escola deve ser igualmente um espaço multi-confessional.

    Por multi-confessionalidade entende-se a apreciação dos diversos sistemas de crenças, mesmo os que se negam a alguma crença em um deus no sentido clássico (ateísmo ou agnosticismo, por exemplo). Por apreciação entende-se o estudo do fenômeno religioso no sentido já aqui apresentado. Como já vimos, religio é um fenômeno inevitável, mesmo entre ateus e agnóstico, é um pulsão radical e um fato antropológico. Mesmo que tais visões de mundo se posicionem como a-religiosas, elas podem e devem ser estudadas como um tipo de interação ou relação cultural com o fenômeno religioso em sentido estrito.

    O ensino religioso e a multi-confessionalidade

    O lugar para se privilegiar um sistema de crenças em particular é a escola privada ou comunitária de natureza confessional ou ideológica. Um direito previsto por lei:

    “[Escolas] confessionais, assim entendidas as que são instituídas por grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas jurídicas que atendem a orientação confessional e ideologia específicas e ao disposto no inciso anterior.” (Lei 9394/96, Art. 20, Inciso III).

    O lugar para se promover uma confissão em particular é na escola confessional ou ideológica. Também, nos espaços de formação religiosa como família, igreja, escolas teológicas, sinagogas, yeshivas ou madrassas. Já a escola pública não deve privilegiar nenhum sistema de crenças religiosas ou morais em particular, o que, de fato, feriria o princípio de que a escola é multi-confessional fazendo jus a sua natureza laica.

    Pode-se discutir se há necessidade de uma disciplina de ensino religioso na escola pública. Pessoalmente, não teria objeções no caso de uma possível remoção, desde que a religiosidade fosse apreciada enquanto fenômeno cultural e humano amplos, e por isso, digno do estudo acadêmico em alguma disciplina afim como: história, geografia, filosofia ou sociologia. Porém, se há uma disciplina de ensino religioso, ela de fato, não pode privilegiar nenhuma religião e tampouco ser uma plataforma de proselitismo, afinal, isso comprometeria a natureza plural, multi-confessional e laica da escola pública.

    Não concordo com o uso que a ADI 4439 faz do termo “não-confessional” para descrever a postura pedagógica correta de que “o conteúdo programático da disciplina [de ensino religioso] consiste na exposição das doutrinas, das práticas, da história e de dimensões sociais das diferentes religiões – bem como de posições não-religiosas, como o ateísmo e o agnosticismo – sem qualquer tomada de partido por parte dos educadores.” Entendo que o termo diz respeito a postura do professor em não privilegiar uma “confissão específica”, mas, por outro lado, pode alimentar certa noção de “neutralidade confessional” em espaços públicos. A multi-confessionalidade trata da natureza e da metodologia utilizada em relação ao objeto de estudo. Neste caso, o objeto é o fenômeno religioso tratado sob uma abordagem que aprecia a diversidade de “comunidades confessionais” presentes na sociedade e cultura brasileiras. A meu ver, uma metodologia multi-confessional faz mais jus à distinção entre laicidade e laicismo presentes na ADI do que simplesmente enfatizar uma “não-confessionalidade”:

    “O laicismo, que envolve uma certa animosidade contra a expressão pública da religiosidade por indivíduos e grupos… para diminuir a importância da religião na esfera social…. diferentemente da laicidade, não envolve neutralidade, mas hostilidade diante da religião, e tende a resvalar para posições autoritárias, de restrição a liberdades religiosas individuais.” (Ítem 28).

    Sobre o conteúdo do ensino religioso em escolas públicas

    Um pergunta importante diz respeito ao conteúdo de tal disciplina. Pois, uma vez que o ensino religioso não pode ser proselitista e multi-confessional, a disciplina deveria se dedicar ao estudo de diferentes correntes religiosas. Mas, se existem centenas ou milhares de religiões e sistemas de crenças, seria impossível desenvolver um estudo que abrangesse toda esta complexidade. Ante o desafio, o conteúdo em questão não acabaria sendo forçado a se basear em uma seleção baseada em critérios como: importância, relevância, antiguidade etc? Neste caso, não se cairia novamente no erro de certa “particularização” ou “seletividade confessional”? Penso que este impasse pode ser administrado recorrendo-se à legislação educacional.

    De acordo com a Lei 9394/96 (LDB) está a cargo dos sistemas de ensino (as diferentes instituições educacionais sob responsabilidade de estados, municípios e distrito federal) a regulamentação e a definição dos conteúdos do ensino religioso (Art. 33, § 1º). E, mais, eles também devem ouvir os representantes das diferentes denominações religiosas para tal empreendimento (§ 2º). Isto deveria ser realizado em nível local, apreciando os diferentes agrupamentos religiosos que possuem relevância cultural para o contexto sociocultural que estão inseridos. Outra metodologia, seria agrupar o fenômeno religioso entre tradições: monoteísmo, politeísmo, panteísmo, ateísmo, misticismo etc. De qualquer forma, o desafio está posto, e a ADI não prevê este desafio pedagógico que será inevitável à medida que a escola pública se torne mais plural e laica.

    A decisão do STF fere sim o princípio da laicidade

    Bem, deixando clara as fronteiras conceituais mencionadas, conclui-se que a decisão do STF favorece o catolicismo romano enquanto confessionalidade, sim. Lembrando que o que pesou sobre a decisão foi o Decreto 7107/10, da era Lula, que firmava um acordo entre o Brasil e a Santa Sé. Particularmente, seu artigo 11 cria um precedente interpretativo que pode privilegiar o catolicismo e sua relação com o ensino religioso em escolas públicas:

    “A República Federativa do Brasil, em observância ao direito de liberdade religiosa, da diversidade cultural e da pluralidade confessional do País, respeita a importância do ensino religioso em vista da formação integral da pessoa. §1º. O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação.” (grifo nosso).

    Pessoas de qualquer religião podem comunicar a respeito de sua cosmovisão e convicções religiosas ou filosóficas livremente em relações humanas normais. Um pluralismo que se preze deve permitir a livre defesa e propagação de qualquer sistema de crenças e a crítica mútua dentro dos limites do respeito à diversidade religiosa e à dignidade humana. Porém, ao exercer um papel contratual de professor em um ambiente público, particularmente, no papel institucional de professor de ensino religioso, ele tem o compromisso ético de não fazer proselitismo no exercício de sua função, antes, deve ensinar sobre o fenômeno religioso em sua diversidade multi-confessional conforme já discutido aqui.

    Enfim, deve-se tomar muito cuidado para não se confundir um projeto secularista de sociedade ateia com laicidade estatal. O que significa que esforços pela laicidade do que é público devem apreciar a natureza religiosa dos seres humanos e não trocar a confissão teísta pela ateísta, por exemplo. Um estado laico representa uma sociedade, no caso da brasileira, esmagadoramente religiosa. E, ignorar este fato, é simplesmente ser indiferente ao que a sociedade brasileira é: religiosa. Por outro lado, cristãos, ao invés de lutar para que a escola pública privilegie sua confissão, deveriam investir recursos para abrir e investir em escolas confessionais de relevância pública e criar condições para que a sociedade reconheça a plausibilidade e a relevância do modo como cristãos educam e compreendem a vida. E, finalmente, evangélicos devem se posicionar a respeito de questões públicas a partir de sua cosmovisão, enquanto aprendem a lidar com a factualidade do pluralismo credal em sociedades laicas. Um bom começo seria aprender, com o princípio protestante de universal sacerdócio dos santos, como evitar tanto o triunfalismo cesaropapista como o isolacionismo monástico.

    Notas:
    1. Muitos podem alegar que pessoas podem acreditar em certas coisas de maneira provisória, logo o termo “absoluto” não aprecia a complexidade das crenças e certezas humanas. Entretanto, partimos do pressuposto que todo ser humano, mesmo que provisoriamente, acredita e concede absolutividade a algumas crenças pessoais. A eventual e tardia dispensabilidade de tal crença, não afeta o status de crença em algo absoluto no presente momento.
    2. Dooyweerd, Herman. No Crepúsculo do Pensamento: estudos sobre a pretensa autonomia do pensamento filosófico. São Paulo: Hagnos, 2010.
    3. Chaplin, Jonathan. Talking God: the legitimacy of religious public reasoning. Londo: Theos, 2008.

    • Igor Miguel é teólogo, pedagogo, especialista em educação cognitiva, consultor educacional, mestre em hebraico pela USP. Gestor de projetos sociais e educacionais na SERVED e é pastor da Igreja Esperança em Belo Horizonte, MG.

    http://www.ultimato.com.br/conteudo/ensino-religioso-em-escolas-publicas-confessionalidade-e-laicidade

    Curtir

  2. Pingback: Revisões, atualizações e comentários nas postagems | Sal da Terra e Luz do Mundo

  3. Reforma Protestante e a educação

    Reforma Protestante e seu efeito sobre a educação

    Dia da Reforma Protestante! Saiba o que ela trouxe para a educação moderna

    No dia 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero fixou nas portas da Igreja de Wittenberg, na Alemanha, as 95 teses contra a venda de indulgências.

    A data marca o início da Reforma Protestante e de um novo momento na história da humanidade.

    “Nenhum aspecto da vida humana ficou intacto, pois abrangeu transformações políticas, econômicas, religiosas, morais, filosóficas, literárias e nas instituições. Foi, de fato, uma revolta e uma reconstrução do norte”, afirma o escritor Eby Frederick.

    Na educação, os impactos foram determinantes. Na Idade Média, a igreja era a única responsável pela organização e manutenção da educação escolar. A partir do século 16, surgiram as nações-estados, que se opuseram ao poderio universal do papa e formou-se a classe média.

    O historiador e professor da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista, pastor José Carlos de Souza, explica que o comércio, a atividade pública e as próprias igrejas, entre muitos outros setores, possuíam demandas que requeriam cuidadoso preparo. Toda mudança social traz novos desafios.
    “Certamente, por essa razão, Lutero sentiu-se impelido para falar e se pronunciou de modo enfático sobre a necessidade das autoridades civis investirem na educação”, avalia o professor.

    Neste contexto, os movimentos da Renascença e da Reforma são precursores de profundas mudanças na concepção de ensino. “A educação começa a visar de modo claro e definido à formação integral do homem, o seu desenvolvimento intelectual, moral e físico”, conta o professor Ruy Afonso da Costa Nunes.

    Cidadania

    Martinho Lutero também estimula a criação de escolas para toda a população. Houve forte ênfase ao ensino para suprir as demandas da recém chegada sociedade moderna, com dimensões geográficas, políticas, econômicas, intelectuais e religiosas em transformação.

    A contribuição da Reforma no contexto educacional é tamanha que, de acordo com o educador espanhol Lorenzo Luzuriaga, a educação pública teve origem nesta época. O movimento já estimulava a educação pública, universal e gratuita, para quem não poderia custeá-la.

    “A educação pública, isto é, a educação criada, organizada e mantida pelas autoridades oficiais – municípios, províncias, estados – começa com o movimento da Reforma religiosa”, afirma Luzuriaga.

    Em ‘Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha’, para que criem e mantenham escolas cristãs, publicado em 1524, Martinho Lutero desafia a sociedade a promover uma educação integral. “Lutero queria todos os cidadãos bem preparados, para todas as tarefas na sociedade. Propôs uma escola cristã que visasse não uma abstração intelectual, mas a uma educação voltada para o dia a dia da vida”, explica o professor Alvori Ahlert.

    O pastor luterano Walter Altmann comenta a referência de Lutero para o desenvolvimento da educação. “Rompeu com o ensino repressivo, introduzindo o lúdico na aprendizagem. Amarrou o estudo das disciplinas a um aprendizado prático. Também lutou por boas bibliotecas, dentro de sua ótica cristocêntrica”, revela Altmann no livro ‘Lutero e a Libertação’.

    “Pela graça de Deus, está tudo preparado para que as crianças possam estudar línguas, outras disciplinas e história, com prazer e brincando. As escolas já não são mais o inferno e o purgatório de nosso tempo, quando éramos torturados com declinações e conjugações. Não aprendemos simplesmente nada por causa de tantas palmadas, medo, pavor e sofrimento”, escreveu Martinho Lutero.

    A aprendizagem construiria cidadãos capacitados, honestos e responsáveis. Era exatamente esta a necessidade do novo modelo de sociedade que surgia na época. De acordo com o pesquisador Evaldo Luis Pauly a rápida divulgação de ideias e concepções por meio da imprensa descoberta por Gutemberg, também contribuiu para que as iniciativas de estímulo educacional crescessem.

    Universidades

    As mudanças e ênfases da Reforma estimularam o surgimento das instituições de ensino. “A história das universidades nos estados alemães durante os séculos 16 e 17 foi determinada pelo progresso da religião e é quase idêntica a do desenvolvimento da teologia protestante”, declara Paul Monroe no livro História da Educação.

    Nestor Beck diz que a universidade de Wittenberg atraiu um número crescente de novos alunos, pela fama que passou a ter, entre os anos de 1517 a 1520. A Reforma Protestante deixou a concepção de que a ignorância é o grande mal para a verdadeira religião, por isso, superá-la é uma responsabilidade de todos. “O melhor e mais rico progresso para uma cidade é quando possui muitos homens bem instruídos, muitos cidadãos ajuizados”, dizia Martinho Lutero.

    Expansão

    O pensamento e o movimento protestante logo expandiram. A América do Norte, por exemplo, contou com a colonização de vários grupos protestantes, na chamada segunda reforma. O antropólogo e escritor Darcy Ribeiro afirma, no livro ‘Universidade Necessária’, que nos Estados Unidos o ensino superior “cresceu mais livre, democrático e fecundo”.

    As igrejas cristãs prevalecem no cenário educacional norte-americano no século 17 e início do 18. O professor Almiro Schulz explica que após a independência dos Estados Unidos em 1776 e a separação entre igreja e estado, houve uma ênfase ao ensino superior público, secularizado e sob controle do estado.

    “A igreja reagiu por meio da educação. As confissões, principalmente presbiteriana, batista, congregacional, metodista se lançaram no ensino superior”, conta o professor Almiro Schulz.

    Fonte: Expositor Cristão

    http://www.cacp.org.br/reforma-protestante-e-a-educacao/

    Curtir

  4. Campanha quer tirar educadores sociais cristãos da invisibilidade

    Educador Social Cristão
    Os educadores sociais se dedicam a cuidar de crianças e adolescentes socialmente vulneráveis. Embora exerçam um importante papel na sociedade, pouco se sabe sobre esses profissionais. Entre as mais de 300 mil pessoas que trabalham em organizações sociais – segundo dados da pesquisa do IBGE sobre o terceiro setor, publicada em 2012 – não se sabe quantas atuam como educador social. E, na maioria dos casos, a maioria atua como voluntário, sem nenhum vínculo empregatício com a organização.

    Tendo em vista este cenário, a Rede Mãos Dadas está desenvolvendo a campanha Meu Educador Social Cristão, com o objetivo de tirar a invisibilidade homens e mulheres que atuam na área, não apenas como uma ocupação, mas por convicção de vocação. Para isso, a rede quer aproveitar o dia 19 de setembro, Dia Nacional do Educador Social, para animar, encorajar e estimular a igreja a valorizar o educador social. “No dia do educador social, desejamos mobilizar nossos parceiros para juntos lembrarmos da importância do trabalho realizado por seus colaboradores, sobretudo aqueles que atuam na linha de frente no enfrentamento a todo tipo de situação adversa vivida por crianças e adolescentes socialmente vulneráveis”, diz a rede.

    Obra prima
    Com o tema “Eles enxergam em cada criança uma obra prima”, a campanha convoca as pessoas a tornar o trabalho destes profissionais mais visível. Segundo material de divulgação da campanha, numa enquete realizada no mês de junho com educadores sociais em Belo Horizonte, 97% afirmaram realizar seu trabalho como ministério. No entanto, muitos também relatam ser difícil ter o seu trabalho reconhecido por suas comunidades de fé como parte da missão da igreja.

    “Uma de suas primeiras experiências ao decidir abraçar uma causa é descobrir que as pessoas não querem ouvi-las, não querem participar da sua paixão e do seu sofrimento em favor de alguém. Aquele que se identifica com uma criança invisível, corre o risco de se tornar invisível junto com ela!”.

    A campanha criativa da rede reproduziu a famosa pintura “Moça do Brinco de Pérola”, do pintor holandês Johannes Vermeer. A imagem é considerada a “Mona Lisa holandesa”. Na foto, o fotógrafo James Gilbert usou como modelo Estela da Silva Santos, uma criança atendida pela ONG cristã Rebusca, em Viçosa (MG).

    Com o tema “Eles enxergam em cada criança uma obra prima”, a campanha convoca as pessoas a tornar o trabalho destes profissionais mais visível. Segundo material de divulgação da campanha, numa enquete realizada no mês de junho com educadores sociais em Belo Horizonte, 97% afirmaram realizar seu trabalho como ministério. No entanto, muitos também relatam ser difícil ter o seu trabalho reconhecido por suas comunidades de fé como parte da missão da igreja.

    “Uma de suas primeiras experiências ao decidir abraçar uma causa é descobrir que as pessoas não querem ouvi-las, não querem participar da sua paixão e do seu sofrimento em favor de alguém. Aquele que se identifica com uma criança invisível, corre o risco de se tornar invisível junto com ela!”.

    Quem tiver interesse em participar ou promover a campanha, a Rede Mãos Dadas oferece gratuitamente em seu site material de divulgação, cartões, um vídeo e um guia sobre a campanha.

    Acesse e baixe gratuitamente o material da campanha aqui.

    http://www.ultimato.com.br/conteudo/campanha-quer-tirar-educadores-sociais-cristaos-da-invisibilidade

    Curtir

  5. Pingback: Revisões, atualizações e comentários nas postagens | Sal da Terra e Luz do Mundo

  6. Se há uma religião no mundo que exalta o ofício do ensino, seguramente é a religião de Jesus Cristo. Tem sido frequentemente enfatizado que nas religiões pagãs o elemento doutrinal é mínimo – o mais importante nelas é a realização do ritual. É precisamente nesse ponto que o cristianismo se difere das outras religiões – ele contém uma doutrina. Ele chega até o homem com ensinamentos definidos e positivos; ele alega ser a verdade; ele baseia a religião no conhecimento, mas em um conhecimento que só é obtido sob condições morais […] No decorrer da história da igreja, uma religião divorciada da reflexão e do pensamento profundo tem tendido a ser fraca, imatura e nociva, enquanto o intelecto, desprovido de lugar junto à religião, tem buscado satisfação sem ela e se transformado em um racionalismo iconoclasta(*).

    (*)=[Figurado] Diz-se da pessoa que se opõe às convenções, tradições, regras e/ou normas.

    John Stott
    Crer é tam
    bém pensar
    ABU Editora

    Curtir

  7. Pretty section of content. I just stumbled upon your website and in accession capital to assert that I get actually enjoyed account your blog posts. Anyway I will be subscribing to your feeds and even I achievement you access consistently rapidly.

    Curtir

  8. Some really superb posts on this website , regards for contribution.

    Curtir

  9. Marquetta disse:

    Good write-up, I am regular visitor of one’s site, maintain up the excellent operate, and It’s going to be a regular visitor for a lengthy time.

    Curtir

  10. Wow! This can be one particular of the most beneficial blogs We’ve ever arrive across on this subject. Basically Magnificent. I’m also an expert in this topic therefore I can understand your effort.

    Curtir

  11. Hiya. Very fine web site!! Guy .. Exquisite .. Superb .. I will bookmark your web site and assume the feeds additionally…I am blissful to locate thus a great deal of use information here in the article. Gratitude for sharing…

    Curtir

  12. Alfonso disse:

    I will immediately grab your rss as I can not find your email subscription link or newsletter service. Do you’ve any? Please let me know in order that I could subscribe. Thanks.

    Curtir

  13. Some genuinely fantastic articles on this web site , regards for contribution.

    Curtir

  14. Zdzisław disse:

    I like this blog very much, Its a rattling nice place to read and incur info. “I am a great believer in luck. The harder I work the more of it I seem to have.” by Coleman Cox.

    Curtir

  15. Great work! This is the type of information that should be shared around the net. Shame on the search engines for not positioning this post higher! Come on over and visit my web site . Thanks =)

    Curtir

  16. Spot on with this write-up, I really think this website wants much more consideration. I’ll in all probability be once more to read much more, thanks for that info.

    Curtir

  17. Rozalia disse:

    Somebody essentially help to make seriously articles I would state. This is the very first time I frequented your web page and thus far? I amazed with the research you made to make this particular publish incredible. Great job!

    Curtir

  18. Letha Perrot disse:

    Outstanding post, you have pointed out some great details , I as well conceive this s a very good website.

    Curtir

  19. Renate Snock disse:

    Cio che fantastic filettato discussione! Io frequently feel same unaccompanied nella mia scelta di non immunize. Io absent mio pediatra dopo I ‘ m thin con i pazienti non immunizzati”vivere being mi ha detto che la gente approximating sono il motivo che la pertosse nonostante il rest esiste.

    Curtir

  20. Just a smiling visitor here to share the love (:, btw great layout.

    Curtir

  21. Freeda Egge disse:

    I haven’t checked in here for a while because I thought it was getting boring, but the last several posts are great quality so I guess I will add you back to my everyday bloglist. You deserve it my friend 🙂

    Curtir

  22. Gabrielle disse:

    Wohh exactly what I was looking for, regards for putting up.

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s