Cultura

A cultura é todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro da sociedade“.

O que é Cultura?

Cultura(do latim cultura) é todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade da qual é membro.

A cultura é também comumente associada às formas de manifestação artística e/ou técnica da humanidade, como a música erudita europeia (o termo alemãoKultur” – “cultura” – se aproxima mais desta definição).

Cada país tem a sua própria cultura, que é influenciada por vários fatores.

cultura brasileira é marcada pela boa disposição e alegria, e isso se reflete também na música, no caso do samba, que também faz parte da cultura brasileira.

No caso da cultura portuguesa, o fado é o patrimônio musical mais famoso, que reflete uma característica do povo português: o saudosismo.

Assim, definiu cultura como sendo um “padrão de significados transmitidos historicamente, incorporado em símbolos, um sistema de concepções herdadas expressas em formas simbólicas por meio das quais os homens comunicam, perpetuam e desenvolvem seu conhecimento e suas atividades em relação a vida.”

Por ter sido fortemente associada ao conceito de civilização no século XVIII, a cultura, muitas vezes, se confunde com noções de: desenvolvimento, educação, bons costumes, etiqueta e comportamentos de elite. Essa confusão entre cultura e civilização foi comum, sobretudo, na França e na Inglaterra dos séculos XVIII e XIX, onde cultura se referia a um ideal de elite. Ela possibilitou o surgimento da dicotomia (e, eventualmente, hierarquização) entre “cultura erudita” e “cultura popular”, melhor representada nos textos de Matthew Arnold, ainda fortemente presente no imaginário das sociedades ocidentais.

Cultura também é definida em ciências sociais como um conjunto de ideias, comportamentos, símbolos e práticas sociais, aprendidos de geração em geração através da vida em sociedade.

Seria a herança social da humanidade ou ainda, de forma específica, uma determinada variante da herança social.

A principal característica da cultura é o mecanismo adaptativo, que consiste na capacidade que os indivíduos têm de responder ao meio de acordo com mudança de hábitos, mais até que possivelmente uma evolução biológica.

A cultura é também um mecanismo cumulativo porque as modificações trazidas por uma geração passam à geração seguinte, onde vai se transformando, perdendo e incorporando outros aspetos procurando assim melhorar a vivência das novas gerações.

A cultura é um conceito que está sempre em desenvolvimento, pois com o passar do tempo ela é influenciada por novas maneiras de pensar inerentes ao desenvolvimento do ser humano.

Principais conceitos

  • Ciências sociais– do ponto de vista das ciências sociais (isto é, da sociologia e da antropologia), sobretudo conforme a formulação de Tylor, a cultura é um conjunto de ideias, comportamentos, símbolos e práticas sociais artificiais (isto é, não naturais ou biológicos) aprendidos de geração em geração por meio da vida em sociedade.  Assim, cultura, como um todo, compõe-se de grande número de culturas, cada uma das quais é característica de um certo grupo de indivíduos”. Enquanto a definição de Tylor é muito genérica, podendo causar confusão quando se propõe uma reflexão mais aprofundada do que é cultura, outras definições são mais restritivas. Vale lembrar que, em algumas concepções de cultura, o comportamento é apenas biológico, sendo a cultura a forma como esse conjunto de fatores biológicos se apresentam nas sociedades humanas.
  • Filosofia– cultura é o conjunto de manifestações humanas que contrastam com a natureza ou comportamento natural. No cotidiano das sociedades civilizadas (especialmente a sociedade ocidental) e no vulgo costuma ser associada à aquisição de conhecimentos e práticas de vida reconhecidas como melhores, superiores, ou seja, erudição; este sentido normalmente se associa ao que é também descrito como “alta cultura“, e é empregado apenas no singular (não existem culturas, apenas uma cultura ideal, à qual os homens indistintamente devem se enquadrar). Dentro do contexto da filosofia, a cultura é um conjunto de respostas para melhor satisfazer as necessidades e os desejos humanos. Cultura é informação, isto é, um conjunto de conhecimentos teóricos e práticos que se aprende e transmite aos contemporâneos e aos vindouros. A cultura é o resultado dos modos como os diversos grupos humanos foram resolvendo os seus problemas ao longo da história. Cultura é criação. O homem não só recebe a cultura dos seus antepassados como também cria elementos que a renovam. A cultura é um fator de humanização. O homem só se torna homem porque vive no seio de um grupo cultural. A cultura é um sistema de símbolos compartilhados com que se interpreta a realidade e que conferem sentido à vida dos seres humanos.
  • Antropologia– esta ciência entende a cultura como o totalidade de padrões aprendidos e desenvolvidos pelo ser humano. Portanto corresponde, neste último sentido, às formas de organização de um povo, seus costumes e tradições transmitidas de geração para geração que, a partir de uma vivência e tradição comum, se apresentam como a identidade desse povo.

Mudança Cultural

A cultura é dinâmica. Como mecanismo adaptativo e cumulativo, a cultura sofre mudanças. Traços se perdem, outros se adicionam, em velocidades distintas nas diferentes sociedades. Dois mecanismos básicos permitem a mudança cultural: a invenção ou introdução de novos conceitos, e a difusão de conceitos a partir de outras culturas.

A mudança acarreta normalmente em resistência. Visto que os aspectos da vida cultural estão ligados entre si, a alteração mínima de somente um deles pode ocasionar efeitos em todos os outros. Modificações na maneira de produzir podem, por exemplo, interferir na escolha de membros para o governo ou na aplicação de leis. A resistência à mudança representa uma vantagem, no sentido de que somente modificações realmente proveitosas, e que sejam por isso inevitáveis, serão adotadas evitando o esforço da sociedade em adotar, e depois rejeitar um novo conceito. O ambiente exerce um papel fundamental sobre as mudanças culturais, embora não único: os homens mudam sua maneira de encarar o mundo tanto por contingências ambientais quanto por transformações da consciência social.

Cultura Religiosa

Na cultura religiosa não se busca fugir de conceitos preconcebidos. Ao contrário existe a insistência tenaz numa implementação sistematizada de “padrões de comportamento”.

Fica mais claro quando se simula um pouco da história político-religiosa: imaginemos vários países e que em cada um deles exista apenas uma forma de cultuar alguma divindade. Qualquer maneira de reverenciar uma divindade diferente seria terminantemente proibida. Num caso assim é natural supor que à medida que as pessoas fossem nascendo estariam incorporadas à religiosidade local. Poderíamos chamar isso de religião? Não seria uma cultura imposta por “padrões de comportamento”?

Assim acontecia na Europa após a reforma protestante. Em cada país uma tendência religiosa dominou de tal forma o pensamento que, quem nascesse naquela nação, seria automaticamente um membro do seguimento cultural-religioso ali estabelecido. O luteranismo cresceu em qual nação? E a crença anglicana? E a primazia católica romana?

Quando aconteceu o desbravamento da América o quadro obteve uma mudança significativa. Pessoas de países diferentes colonizaram aquelas terras. Nações diferentes? Sim e culturas religiosas também. Como não havia mais fronteira que impedisse a mistura das culturas religiosas, essas foram se fundindo e dando origem às diversas variantes. Muitas derivações! Hoje o quadro é impressionante, mas, sabe-se, explicável. São centenas de culturas religiosas pelo mundo afora que surgiram diante da mistura de pensamentos.

Tomando o Brasil como exemplo é óbvio supor que pelo ponto de vista estatístico é mais natural que aqui se nasça num lar católico, afinal é a igreja predominante. A cultura religiosa é implantada desde o nascimento e com muita ênfase. Justifica-se: crêem que até os sete anos as tendências de caráter estarão bem delineadas e torna-se fundamental a doutrinação que deve se estender desde os primeiros dias até o final da infância. Costumam chamar isso de “ensinar o caminho que se deva andar”, numa alusão ao contido no livro de Eclesiastes. Claro que é um caminho! O que não se sustenta é afirmar que isso é ministrar religião, pois não restam dúvidas de que existe um padrão de comportamento sistematizado em implementação constante.

A cultura religiosa tem como característica notável a arrogância. Mesmo aqueles que conhecem apenas um contexto social-religioso afirmam categoricamente que possuem a verdade. Algo que foge à realidade religiosa que é investigativa, sem preconceitos e atenta a assuntos novos. A cultura religiosa é irmã gêmea da ortodoxia. Não existe possibilidade de flexibilização. No caso de um segmento estar correto é cristalino que todos os demais estão no erro, eis o resumo e efeito desta forma de pensar e de agir.

A religião, por seu turno, não está adstrita a uma bandeira de fé e crença. Está compromissada com a verdade. Qual verdade? Eis a diferença do religioso para o que detém tão somente a cultura religiosa. O religioso não se arvora à condição de possuidor da verdade. Ao contrário está sempre exercendo a humildade da busca diligente. O filho da ortodoxia sempre parte do pressuposto de que está correto e que não há mais nada a ser investigado. O credo de sua comunidade político-religiosa é amplo e seguro na medida exata! Os demais credos estão eivados de erro. E a verdade? Qual delas? Cada segmento religioso tem a sua, claro.

Cultura na Sociologia

Da mesma forma, a cultura na sociologia representa o conjunto de saberes e tradições. Estes são produzidos pela interação social entre os indivíduos de uma comunidade ou sociedade.

A partir das necessidades humanas vão sendo moldados e criados padrões e comportamentos que geram uma determinada estrutura e organização social.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura

https://www.todamateria.com.br/o-que-e-cultura/

  Link para o perfil do proprietário do vídeo   Autor: Leandro Lima

 
Leandro Lima

Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano José Manoel da Conceição – SP (1999). Mestre em Teologia e História pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper – SP (2003). Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Mackenzie – SP (2009). Doutor em Letras – Literatura, pela Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP. Professor de Teologia no Seminário Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição – SP. Professor de teologia na FITref. Autor dos livros: Razão da Esperança – Teologia para hoje (2006, Editora Cultura Cristã). As Grandes Doutrinas da Graça (4 volumes pela Editora Odisseu, 2007). Brilhe a sua luz: o cristão e os dilemas da sociedade atual (Editora Cultura Cristã, 2009). Casado com Vivian e pai do Vicktor Daniel.

Sites diversos

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s