O perigo da apostasia

      Apostasia é dar as costas àquilo em que se creu um dia em relação ao que a Bíblia ensina; é negar, renunciar e distorcer propositadamente o ensino bíblico de forma a colocar e mesmo ensinar algo contrário em seu lugar. A Bíblia ensina que a apostasia tem sua origem na obediência a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios (1ªTm 4:1), bem como na introdução furtiva de homens que torcem o conteúdo bíblico e, de alguma forma, negam a pessoa ou obra de Cristo (Jd 4; 2ªCo 11:13,14; 2ªPe 2:1). Ela pode acontecer parcialmente quando se renunciam algumas idéias ou doutrinas, ou, então, totalmente, quando se renega todo o conteúdo bíblico e  a fé cristã. A apostasia sempre estará relacionada com rebelião contra Deus.

       O crente pode pecar por ignorância, por negligência, por fraqueza e por malícia. Esta última é a pior forma, pois pode levar à perda da salvação, já que significa falta de fé, fere a pessoa de Cristo e é indício de apostasia (como Judas, Ananias e Safira).

       Apostasia não pode ser confundida com heresia. Esta é caracterizada pelo desvio, ainda que sutil, de uma crença aceita como doutrina; já a apostasia é o abandono da fé outrora professada, rejeitando seus dogmas e suas obrigações religiosas. Portanto, a apostasia será sempre mais grave que a heresia. A heresia pode ser imperceptível para quem não estiver atento; ela é sorrateira para os inadvertidos e sutilmente aliciadora da fé correta; já a apostasia é escrachadamente vergonhosa, antibíblica e de fácil percepção. A heresia sempre conservará muitos elementos da verdade bíblica, mas infundirá distorções sutis;  a apostasia conservará pouco ou nada da verdade e claramente será entendida como mentira. Por exemplo, uma pessoa que abraçou o islamismo apostatou da fé cristã; já uma que é adepta da Teologia da Prosperidade foi enganada por uma heresia, pois esta contém elementos da verdade bíblica misturada com ênfases em textos bíblicos fora de contexto.

       Alguns exemplos bíblicos de apostasia são os anjos caídos que “não guardaram o seu estado original” (Jd 6 – ARA), e Satanás que “não se firmou na verdade” (Jo 8:44) e nele foi “achada iniquidade” (Is 14:13_14); a apostasia de Adão, que mesmo em seu estado perfeito, preferiu dar as costas ao mandamento divino (Gn 3); a apostasia de Israel que, por muitas vezes na história, apostatou do Deus verdadeiro e correu atrás de ídolos (Is 1:5_6); a apostasia de Judas que traiu Jesus; o caso de Himeneu e Alexandre (1ªTm 1:19_20); e a apostasia dos crentes descrita por Paulo: “Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas” (2ªTm 4:3_4).

       Os crentes não estão impedidos de apostatarem da fé, ou ainda de serem tentados, de pecarem, e de sofrerem as consequências do pecado e da perdição eterna. A apostasia é permitida diante do livre-arbítrio e da possibilidade de escolha do ser humano. Isso não significa que o crente vai ficar com medo a ponto  de ter uma vida neurótica; ele também não pode desenvolver um excesso de confiança de salvação a ponto de tornar-se negligente; isso significa, sim, que ele deve vigiar e orar para não cair em tentação (Mt 26:41), para manter-se firme na fé e confiar na força do Espírito Santo, que lhe capacita a perseverar (Rm 8:11). A Palavra de Deus, porém, garante que jamais seremos tentados além de nossas forças: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1ªCo 10:13).

       Embora os crentes possam apostatar da fé, isso não significa que estarão condenados para sempre, pois isso atestaria contra a bondade e a misericórdia de Deus. Caso se arrependam e abandonem a prática, podem juntar-se novamente ao povo de Deus, embora dificilmente um apóstata venha arrepender-se. A Bíblia não menciona nenhum caso de pessoas nessa situação que se tenham arrependido; pelo contrário, ela afirma: “Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados” (Hb 10:26). Essa mesma ideia é corroborada em Hebreus 6:3_6 e pode apontar para uma possível perdição eterna para o apóstata, não porque Deus não os aceita mais; entretanto, por causa da dureza de seus corações, surge a impossibilidade de que eles se inclinem novamente para Deus.

       A possibilidade da perda da salvação é encontrada em alguns textos bíblicos que apontam para isso, como, por exemplo, o endurecimento do coração pelo engano do pecado (Hb3:13) e a possibilidade de ter o nome riscado do livro da vida ao pecar contra Deus ( Ex 32:33; Ap 3:5). Isso não tem nada a ver com predestinação divina, mas, sim, com a capacidade de escolhas que o ser humano faz. Assim sendo, nenhuma experiência de conversão do passado é garantia de salvação permanente, mas, sim, a que provém de uma fé viva e atuante (Mt 11:12) no presente.

       Devido à força destrutiva do pecado, Satanás quer cirandar com os crentes (Lc 22:31_32) e, diante de sofrimentos difíceis de suportar (Jó 2:9), os crentes são tentados a abandonar a fé, o que leva a possibilidade de eles perderem a sua salvação. Vejamos alguns motivos práticos de apostasia:

  • Por rejeição consciente e voluntária da pessoa e obra de Cristo (Jo 13:25_27);
  • Por pecado voluntário, consciente e repetitivo de maneira maldosa e que macula a imagem de Cristo no crente sem que haja arrependimento (At 5:4_5; 8:20);
  • E por ensinar doutrinas errôneas (2ªPe 2:1).

       De forma mais clara, a apostasia sempre será algo feito de maneira consciente, proposital, voluntária e maldosa contra a verdade. “Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados e descaiais da vossa firmeza” (2ªPe 3:17).

A Obra da Salvação – Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida – Livro de Apoio das Lições Bíblicas do 4ºT 2017 Adulto CPAD

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s