Ética Cristã e Vida Financeira

O Senhor é a fonte de toda riqueza, tanto a prata quanto o ouro lhe pertencem (Ag 2:8). As posses e os bens são concedidos ao homem por meio do nosso Deus. Cada um prestará contas daquilo que recebeu para administrar (Rm 14:12), inclusive no quesito financeiro (Mt 25:19). Nas Escrituras, o trabalho enobrece o homem, sendo este o único meio digno de sobrevivência (Gn 3:19). Apesar dessa assertiva bíblica, durante a Idade Média, os que escolhiam trabalhar para conseguir sustento eram considerados cristãos de segunda classe e a espiritualidade monástica do período medieval, em geral, considerava o trabalho degradante (MCGRATH, 2012, p.331).

       Essa ideia deturpada do trabalho perdurou até a Reforma Protestante, em 1517. Somente após o movimento protestante é que houve uma mudança de paradigma na conceituação do trabalho. Quem trabalhava era somente a plebe ou o proletariado, enquanto a nobreza e também o clero sobejavam em benefícios e regalias e eram sustentados pelos autos impostos infligidos aos trabalhadores. Com a Reforma, o protestantismo desenvolveu “a concepção de que trabalho é uma vocação divina, a qual foi dada a cada ser humano como instrumento de determinação de amor ao próximo, no sentido de que, cumprindo  a vocação, a pessoa humana serve ao seu semelhante” (OLIVEIRA, 2009, p.174).

       A teologia protestante inverteu o antigo ponto de vista católico e medieval. De uma percepção de trabalho como algo humilhante para um meio dignificante e glorioso de louvar a Deus em sua criação e por intermédio dela (MCGRATH, 2012, p. 332). O trabalho passou a ser entendido como um meio digno e desejado de sustentar a família, erradicar a pobreza e a miséria, bem como uma oportunidade de exercer o amor aliviando a dor e a fome do próximo, e ainda uma maneira de propiciar a manutenção do Reino da Deus na terra.

I – UMA TEOLOGIA PARA A VIDA FINANCEIRA

O equilíbrio financeiro que foge dos extremos da riqueza e da pobreza possibilita uma vida desprovida de preocupações desnecessárias. Os que se dedicam de modo desordenado em busca do enriquecimento são trespassados de muitas aflições (1ª Tm 6:9,10) e, no outro extremo, os que negligenciam suas finanças estarão fadados a uma vida de miséria (Pv 28:19).

1-Vida Financeira Equilibrada

No livro de Provérbios estão registradas as palavras de Agur (Pv 30:1). Ele fez dois pedidos ao Senhor, aos quais almejava usufruir antes de sua morte (Pv 30:7). Seu primeiro pedido era por uma vida íntegra, livre da vaidade e da falsidade (Pv 30:8a). Na segunda petição, Agur desejou uma vida financeira equilibrada. Ele rogou: “Não me dês nem a pobreza, nem a riqueza”(Pv 30:8b). O motivo desse segundo pedido é explicado em seguida “para que, porventura, de farto te não negue e diga: Quem é o Senhor? Ou que, empobrecendo, venha a furtar e lance mão do nome de Deus” (Pv 30:9). Agur desejava dinheiro suficiente para uma vida digna que não o levasse a pecar. Ele não queria muito dinheiro para evitar a soberba, mas também queria que não faltasse para não ser desonesto Nesse propósito, ele aspirava apenas à porção necessária para cada dia (Pv 30:8c). E foi exatamente assim que Cristo nos ensinou a pedir: “O pão nosso de cada dia dá-nos hoje”(Mt 6:11).

A prosperidade na Bíblia

       Desde o início, Deus tem prometido prosperidade ao seu povo. Tudo começou com Abraão, que habitava em Ur dos caldeus, quando o Senhor lhe falou: “Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome , e tu serás uma bênção ” (Gn 12:1,2). As Escrituras asseveram que Abraão creu na promessa que Deus lhe fizera, e isso lhe foi imputado como justiça (Rm 4:3). Portanto, a prosperidade é algo bíblico, está nas escrituras como uma dádiva divina, algo prometido pela palavra do próprio Deus. 

       Em contrapartida, nas Escrituras “ser próspero” não significa “somente ter posses”, pois a prosperidade unicamente material pode ser danosa. Consciente dessa verdade, o sábio rei Salomão registrou: “Não esgote suas forças tentando ficar rico; tenha bom senso! As riquezas desaparecem  assim que você as contempla; ela criam asas e voam como águias pelo céu” (Pv 23:4,5, NVI). Quando Cristo foi interpelado por alguém que queria intervenção em um caso de herança, o Senhor lhe advertiu severamente: “Cuidado Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância: a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (Lc 12:1, NVI). João, ao escrever para Gaio, desejou-lhe prosperidade material e espiritual ( 3ªJo 1,2). Assim, nossa riqueza deve ser tal qual é próspera a nossa alma.

Saúde financeira

       A saúde financeira não depende de quanto ganhamos, mas de como gastamos o que ganhamos. A palavra de Deus censura a imprudência de quem vive acima de sua capacidade econômica: “O homem sensato tem o suficiente para viver na riqueza e na fartura, mas o insensato não, porque gasta tudo o que ganha” (Pv 21:20, NTLH). Aquele que desobedece a esse princípio acumula dívidas e vive atribulado. Não raras vezes contrai empréstimos para saldar outros empréstimos. Torna-se refém dos altíssimos juros dos cartões de crédito e do cheque especial. Em casos extremos passa a ser explorado por agiotas que fazem financiamentos com juros abusivos. Compromete sua reputação e seu nome figura como mau pagador nos órgãos de proteção ao crédito. Pela sua insensatez e má administração, quando chega à velhice não tem onde reclinar a cabeça e nem mesmo condições mínimas de viver dignamente.

       Portanto, para uma vida financeira equilibrada, é preciso bem administrar o orçamento familiar. A prudência ensina calcular todas as despesas e fazer provisões financeiras para evitar o empréstimo e a vergonha (Lc 14:28). Outra salutar medida é não se envolver na aquisição de supérfluos e resistir à tentação de comprar o que não precisa. Aplicar a remuneração naquilo que é indispensável não gastar o dinheiro naquilo que não é pão (Is 55:2) – aquele que observa a estes princípios fica longe das dívidas e escapa da ruína financeira. Será louvado pela sua família, manterá o bom nome e a boa reputação, e, na velhice, poderá desfrutar de uma merecedora e digna aposentadoria.   

       2 – O Perigo do Amor ao Dinheiro

O apóstolo Paulo corrobora que a vida moderada é o melhor caminho para fugir dos laços e tentações das riquezas (1ªTm 6:9,10). A cobiça pelo dinheiro corrompe os homens e os faz desviar da fé. Percebe-se no texto bíblico que o mal não está no dinheiro, e sim no “amor ao dinheiro”. O mal está em perder a comunhão com Deus e passar a depositar a confiança nas riquezas. A Bíblia revela que essa atitude foi empecilho de libertação na vida de muitos, como nos exemplos do jovem rico (L 18:23), de Judas Iscariotes (Lc 22:3_6), de Ananias e Safira (At 5:1_5), que valorizaram o dinheiro em detrimento da salvação. Portanto, mesmo que o Senhor nos permita enriquecer, o salmista nos adverte para não pecarmos: “[…] se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração” (Sl 62:10).

       Cuidado com a cobiça

       O mais perigoso inimigo do homem é ele próprio. A sua própria carne e natureza pecaminosa que nele habita constituem um inimigo vicioso e enganoso. Existem três espécies de pecado que se encontram na raiz da queda de qualquer cristão: é o amor pelas mulheres (imoralidade sexual); o amor pelo dinheiro (o pecado da cobiça); e o amor por posições (orgulho e apostasia). Comparados com isso os seus inimigos eternos são fáceis de combater. A cobiça vem de uma insegurança com relação à provisão de Deus e o amor pelo dinheiro. Em Mateus 6:24, Jesus ensinou sobre dois senhores, dentre os quais devemos escolher um – Deus ou Mamom. Acerca dessa declaração, Mamon é identificado com o nome do Deus pagão da riqueza e da prosperidade com gravíssimas implicações:

No Targum (paráfrase aramaica do Antigo Testamento), essa palavra era usada para o lucro desonesto obtido mediante exploração egoística de outra pessoa. O “mamon” da injustiça de Lucas 16:9 corresponde com exatidão a uma fase aramaica que significa “possessões adquiridas com desonestidade”. (MOUNCE, 1996, p.70)

       Infelizmente, muitos cristãos têm caído nessa armadilha, apropriando-se daquilo que não é seu. As Sagradas Escrituras esclarecem que a cobiça, ou a avareza, está no amor ao dinheiro. Paulo ensina que a cobiça é pecado de idolatria. Nos textos de Colossenses 3:5 e de Efésios 5:5, avareza e cobiça são sinônimos. Esses termos estão ligados com a ganância de querer ter e ser mais que os outros. Um cristão dominado pela avareza ou pelo desejo de acumular riquezas é insensato e delira em vãos pensamentos, Jesus deixou bem claro que “a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui” (Lc 12:15). Lamentavelmente, não são poucos os que acabam se perdendo por causa da cobiça ao dinheiro, bens materiais e posições economicamente compensatórias.

       O problema da soberba

       Ao escrever aos romanos, o apóstolo dos gentios os advertiu acerca da soberba: “[…] não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos” (Rm 12:16). Os romanos por viverem na cidade imperial, estavam bem próximos do esplendor da corte e buscavam ocupar certas posições. A exortação paulina os instiga a se acomodarem às coisas simples, deixando de ser convencidos, em vez de lutar na consecução de coisas que eram altas demais para eles (PFEIFFER, 1983, v.5, p. 56). Matthew Henry considera que “não devemos ambicionar honra e promoção, nem olhar com respeito o fausto e a dignidade do mundo com qualquer valor ou desejos excessivos”(2008, vol.2, p.391). Nesse sentido, o problema não está nos altos cargos ou funções, mas no desejo de alguns de serem superiores aos outros.

       Não obstante, a orientação bíblica por vezes é negligenciada por aqueles que almejam, por meio do acúmulo de riquezas, alcançar o topo da pirâmide social para vangloriar-se sobre os demais. A respeito desse procedimento, Tiago reprovou o comportamento de alguns crentes que estavam praticando o favoritismo e o elitismo na igreja (Tg 2:1_9). A reprovação de Tiago ainda tem relevância para hoje: “A Igreja não deveria mostrar parcialidade, nenhum interesse com relação à beleza externa, a riqueza material e ao poder ou à influência da pessoa” (DA – VIDS, 1997, p. 79). Muitos conflitos e contendas são gerados na igreja por ações de superioridade praticadas por parcela da membresia. Deus não se recusa em nos abençoar, mas não o fará se a nossa motivação for errada. Não seremos atendidos se o nosso desejo de prosperidade estiver motivado  pelo egoísmo e pela soberba (Tg 4:1_3).

II – MEIOS HONESTOS PARA GANHAR DINHEIRO

Ganhar dinheiro não é pecado, e sim uma necessidade indispensável. Trabalhar de modo honesto para o sustento seu e de sua família é uma atitude altruísta. Aqueles que deliberadamente não trabalham e os que sobrevivem de maneira desonesta são reprovados e condenados pelas Escrituras Sagradas.

1 – Trabalho e Emprego  

Desde a queda no Éden, o homem precisa empregar esforços para obter os bens de que necessita para sobreviver (Gn 3:19a). Assim, o trabalho passou a ser um meio legítimo para prover o sustento. O Senhor Jesus ensinou que “digno é o trabalhador do seu salário” (Lc 10:7, ARA). Quando escreveu aos irmãos em Tessalônica, Paulo enfatizou que o trabalho é um meio digno de ganhar dinheiro (1ªTs 2:9). Porém, no afã de obter o seu salário, o cristão não pode envolver-se com meios ilícitos ou criminosos (Pv 11:1; 20:10) e nem tampouco explorar ou extorquir o seu semelhante (Am 2:6). A responsabilidade individual de trabalhar para o próprio sustento é tão relevante que a Bíblia condena o preguiçoso (Pv 21:25; 22:13)e ainda assevera: […] se alguém não quer trabalhar, não coma também” (2ªTs 3:10).

       Conceito de trabalho

       A ordem divina para o trabalho tinha sido anunciada antes da queda do homem (Gn 1:28). E por causa dela o processo do trabalho foi dificultado; em razão do pecado, a terra passou a produzir cardos e espinhos (Gn 3:18). Pallister analisa que “ao dar o mandato para trabalhar (Gn 1:28). Pallister analisa que “ao dar o mandato para trabalhar (Gn 1:28), é natural que Deus tenha querido abranger todo tipo de atividade humana legítima” (2005, p.79). E, conforme essa compreensão, adota-se o seguinte conceito de trabalho:

Atividade cujo fim é utilizar as coisas naturais ou modificar o ambiente e satisfazer às necessidades humanas. Por isso, o conceito de trabalho implica: 1) dependência do homem em relação à natureza, no que se refere à sua vida e aos seus interesses: isso constitui a necessidade, num de seus sentidos; 2) reação ativa a essa dependência, constituída por operações mais ou menos complexas, com vistas à elaboração ou à utilização dos elementos naturais; 3) grau mais ou menos elevado de esforço, sofrimento ou fadiga, que constitui o custo humano do trabalho. (ABBAGNANO, 2000, p.964)

       Os princípios bíblicos e teológicos que regem a concepção do trabalho vinculam a atividade laboral com a ideia de progresso social, solidariedade e enobrecimento da pessoa humana. Porém, na prática contemporânea, o sociólogo polonês Sygmund Baumann (1925-2017), em seu livro Modernidade Líquida, afirma que “raramente se espera que o trabalho ‘enobreça’ os que o fazem, fazendo deles ‘seres humanos melhores’, e raramente alguém é admirado e elogiado  por isso” (BAUMANN, 2001, p.161). Apesar do ceticismo hodierno, essas ideias não conseguem anular a importância e a contribuição do trabalho na realização do ser humano. Primeiro de maio é a data, no Brasil e em vários países do mundo, reservada para comemorar o Dia do Trabalho. A história da data remonta o ano de 1886, quando milhares de trabalhadores protestaram por melhores condições de trabalho na cidade de Chicago (Estados Unidos).

Meio de vida e não de morte

       O trabalho deve ser executado como um meio de vida, e não de morte. O corpo humano possui limitações que devem ser respeitadas. O excesso de trabalho com carga horária abusiva e funções múltiplas é extremamente prejudicial à saúde. Dias de folga, intervalos para descanso, férias remuneradas e alimentação apropriada ajudam a manter o equilíbrio entre o trabalho e as necessidades vitais do trabalhador. Quando essas orientações são desprezadas, a saúde e a família são os primeiros a ser afetados. Em um mercado de trabalho competitivo, uma considerável parcela dos trabalhadores permite que o emprego sugue todas as suas energias e anule a sua vida social, religiosa e familiar. Nesse quesito, as Escrituras orientam a busca do equilíbrio. De um lado, somos exortados a trabalhar e fugir da preguiça (Pv 6:6_11), e, de outro, recebemos a instrução de não cometer exageros: “Melhor é a mão cheia com descanso do que ambas as mãos cheias com trabalho, e aflição de espírito (Ec 4:6). Portanto, o trabalho deve ser algo prazeroso, saudável e dignificante. Não existe mérito algum em se matar de trabalhar.

2 – Escolarização e Mobilidade Social

A sociedade é formada por classes sociais. A possibilidade de um cidadão trocar de classe é denominada de “mobilidade social”. Um dos meios disponíveis é a escolarização, ou seja, a educação acadêmica. A escolarização proporciona a capacitação profissional e o acesso a níveis superiores de ensino. Aqueles que alcançam maior escolarização possuem maior probabilidade de encontrar empregos com bons salários, possibilitando a ascensão social. No entanto, o cristão precisa tomar cuidado na busca do seu aprimoramento intelectual para não ser enredado por meio de filosofias e vãs sutilezas (Cl 2:8). Precisa também ter em mente que não deve buscar conhecimento para vanglória ou para se considerar melhor que os outros (Fp 2:3). Ao contrário, deve usar a escolarização e a ascensão social para poder melhor servir o Reino de Deus (Fp 2:4, 21; 1ªCo 10:32,33).

Formação Acadêmica

       Não faz muito tempo que ter um curso superior ou uma especialização era o grande diferencial para se conseguir um bom emprego em nosso país. O tempo passou, o mercado tornou-se altamente competitivo e as exigências aumentaram. Por isso, o que antes era uma vantagem, tornou-se um padrão. Quem não possui qualificação acadêmica, dificilmente conseguirá um emprego com salário rentável. A partir dessa realidade, novas competências passaram a ser requeridas pelo empregador. Atualmente a mera formação acadêmica não é requisito suficiente para preencher uma vaga de emprego. Empregadores selecionam entre os candidatos de nível superior aqueles que apresentam algum diferencial, como por exemplo, domínio fluente de determinado idioma, amplo conhecimento de informática, inteligência emocional, valores morais e éticos especialmente para cargos de chefia, e outros.

       Mercê desses fatos,  a qualificação é algo a ser aprimorado para quem está ou deseja entrar no mercado de trabalho. Aqueles que recusarem o aperfeiçoamento vão correr o risco de perder o emprego. Aqueles que recusarem o aperfeiçoamento vão correr o risco de perder o emprego, ser preterido nas promoções ou se resignar em receber baixos salários.

       Todavia, embora a educação formal seja um dos meios eficazes para a mobilidade social, o acesso à educação ainda é deficiente, apesar dos esforços e da sensível melhora ocorrida nas últimas décadas.

III – COMO ADMINISTRAR O DINHEIRO

A mordomia das finanças é responsabilidade de todos os membros da família. A má gestão provoca endividamento e constrangimentos desnecessários. Um lar bem administrado financeiramente resulta em esperança e bem-estar.

1 – A Fidelidade na Casa do Senhor

A boa administração financeira tem início com a fidelidade do cristão na entrega dos dízimos e ofertas. O dízimo era praticado antes da lei (Gn 14:18_20), requerido no período da lei (Ml 3:7_10) e permaneceu em vigor na Nova Aliança (Mt 23:7,10,23; Lc 11:42). É mandamento da Lei e da Graça  – da antiga e da nova dispensação. Entregar os dízimos significa devolver ao Senhor a décima parte de todos os rendimentos. Entregar os dízimos significa devolver ao Senhor a décima parte de todos os rendimentos. A oferta é extra ao dízimo. Tanto um como o outro devem ser entregues com alegria (2ªCo 9:7). O cristão deve entregar com amor, altruísmo e voluntariedade. Deve sentir vontade e gratidão em participar dos dízimos e das ofertas, que é a fonte de graça e sinal de comunhão com Deus: “E o povo se alegrou porque contribuíram voluntariamente; porque, com coração perfeito, voluntariamente deram ao Senhor; e também o rei Davi se alegrou com grande alegria” (1ª Cr 29:9, ARA).

A bênção de contribuir

       O cumprimento de metas e a administração das atividades eclesiásticas exigem recursos financeiros Na maioria das vezes, a soma total do valor monetário recebido pela igreja determinará a expansão de seu crescimento nas várias áreas de atuação. É verdade que as finanças não são o único fator a ser considerado no crescimento e expansão de uma igreja. No entanto, a situação financeira da igreja possibilita  ou impede a execução das metas a serem atingidas. Infelizmente, existe na igreja uma parcela lamentável de irmãos que não contribuem na casa de Deus. Alguns alegam que o dízimo e as ofertas fazem parte da Antiga Aliança e que, por conseguinte, estão desobrigados de dizimar e ofertar na Nova Aliança. Outros, cientes da responsabilidade de contribuir, não o fazem por estarem dominados pela mesquinharia, egoísmo e amor ao dinheiro. E outra parte não contribui por falta do ensino pastoral. O ensino precisa ser esclarecedor e convincente sem ser apelativo.

       O dízimo e as ofertas fazem parte da prática diária e da disciplina cristã. Os ofertantes e dizimistas devem fazê-lo com amor e altruísmo, extirpando o egoísmo humano. A voluntariedade e gratuidade devem ser buscadas como desejo constante. Não se deve entregar um dízimo ou oferta como um pagamento a Deus. A Bíblia ensina que é devolução. O crente, ao entregar sua contribuição, está fazendo devolução de algo que nunca foi seu, mas que sempre pertenceu a Deus. A entrega não pode ser egoísta ou com interesses e motivações erradas. Jesus redarguiu enfaticamente os escribas e fariseus, que faziam contribuições, porém o seu coração estava longe de Deus. A atitude deles descaracterizava a real finalidade da contribuição. Entregar dízimos e ofertas é confirmação de fé  e obediência à Palavra de Deus (Mt 23:23).

2 – Estabelecendo Prioridades

A Bíblia ensina que o dinheiro serve de proteção (Ec :12). Contudo, o dinheiro somente será uma benção se a família souber administrar seu rendimentos. Estipular prioridades e metas a serem atingidas é o caminho mais fácil para melhor aplicar os recursos e evitar o desperdício (Pv 21:5). As metas devem ser estabelecidas, obviamente de acordo com as condições financeiras da família. O planejamento evita aplicação do dinheiro em atividades supérfluas ou desnecessárias (Is 55:2). As prioridades devem ser ordenadas pela urgência ou imprescindibilidade de cada situação. Uma administração transparente e sincera demonstra temor de Deus na aplicação das finanças da família (1ªTm 5:8).

Agenda financeira

Nem sempre é simples planejar e ordenar as prioridades da agenda financeira da família. Diversos conflitos de interesses costumam dificultar porém esses conflitos precisam ser vencidos, sob pena de as metas não serem alcançadas. Cada situação precisa ser planejada e analisada por meio de perguntas, tais como é viável e necessário trocar o carro agora? É possível viajar de férias para determinado lugar e lá passar determinado número de dias? Esses cuidados evitam o endividamento, porém é preciso tomar cuidado com a economia em excesso. Esbanjar é tão prejudicial quanto deixar de investir em si mesmo e na família.

3 – Evitando as Dívidas

       A falha no estabelecimento de prioridades provoca endividamento Quando a família não planeja acaba contraindo dívidas acima de suas posses. O lar passa a sofrer privações e se torna refém do credor (Pv 22:7). O comprometimento da renda familiar acarreta uma série de outros prejuízos, tais como impaciência, nervosismo e desavenças no lar. Para evitar essas desagradáveis situações é aconselhável comprar tudo à vista (Rm 13:8), não ficar por fiador de estranhos (Pv 11:15; 27:13), fugir da mão dos agiotas (Ex 22:25; Lv 25:36), e ser fiel nos dízimos e nas ofertas (Ml 3:10,11).

       O nível de desemprego aliado à falta de disciplina financeira da população contribuiu com os altos índices de endividamento e inadimplência das famílias brasileiras. Diante desse cenário caótico e a fim de não fazer parte desses índices, o crente salvo deve manter sua disciplina financeira por meio da fidelidade nos dízimos e nas ofertas, no esmero no planejamento do orçamento familiar e na fuga de todo e qualquer endividamento. E, depois de fazer todo o possível ao seu alcance, confiar que Deus suprirá as suas necessidades (Fp 4:7).

Valores Cristãos – Enfrentando as questões morais de nosso tempo – Livro de Apoio das Lições Bíblicas do 2ºT 2018 e Revista – Lições Bíblicas Adulto CPAD

Uma resposta para Ética Cristã e Vida Financeira

  1. Resolvi postar este material disponibilizado pelo CACP(Centro Apologético Cristão de Pesquisa), pois o tema e conteúdo é completo e tem tudo a ver com a postagem em si.

    Dízimo: Um ato de amor

    http://www.cacp.org.br/dizimo-um-ato-de-amor/

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s