O cuidado com alunos idosos na ED

A maior agência de ensino do Evangelho sobre a face da terra precisa estar atenta às mudanças vivenciadas pela sociedade, pois só assim poderá compreender melhor as necessidades de cada seguimento.

Por João Paulo da Silva Mendes

       De acordo com dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a expectativa de vida do brasileiro aumentou 30 anos de 1940-2015, saindo de 45 para 75 anos da vida. Ainda segundo o Instituto, “o número de idosos dobrou nos últimos 20 anos no Brasil (…) e irá quadruplicar até 2060. Neste sentido, acompanhando as mudanças sociais, em 2003 o Governo Federal publicou a Lei 10.741/03, criando assim o Estatuto do Idoso. Para fins deste estatuto idoso é a pessoa com idade igual ou superior a 60 anos de idade. Em razão do constante aumento da expectativa de vida, recentemente a Lei recebeu uma alteração que visa dar prioridade, dentre os idosos, àqueles que contam com 80 anos ou mais, evidenciando que mais brasileiros tem chegado a esta idade: Art. 3º, § 2º: “Dentre os idosos, é assegurada prioridade especial aos maiores de oitenta anos, atendendo-se suas necessidades sempre preferencialmente em relação aos demais idosos.”

       Essa mudança radical observada no Brasil nas ultimas décadas com certeza traz consequências para a igreja, pois dentre esses idosos muitos são alunos da Escola Dominical e outros podem ser alcançados pelo evangelho, ainda que na velhice. Daí a Escola Dominical ter que refletir suas ações para atender integralmente esses alunos.

       As páginas do Novo Testamento mostram que o apóstolo Paulo distinguia na igreja as viúvas idosas, as quais deveriam receber tratamento diferenciado entre os santos. Aconselhando o jovem pastor Timóteo sobre o cuidado com várias classes de pessoas na igreja diz Paulo: “Nunca seja inscrita viúva com menos de sessenta anos de idade…” (1ªTm 5:9). Assim, dentre outros critérios para assistências às viúvas estava justamente a idade, pois já naqueles dias havia plena ciência de que o avançar dos anos molda em muitos aspectos o ser humano.

       No que diz respeito à Escola Dominical, atualmente há um cuidado especial com as crianças, e dentre essas o currículo prevê várias subdivisões para atendimento especializado às necessidades do aluno, o qual está em constantes mudanças em decorrência do avanço da idade rumo à vida adulta. Com os idosos o pensamento não pode ser diferente, pois tendo já vencido a infância, juventude e o ápice do vigor na vida agora encontram-se noutra etapa, em cujas expectativas e realidade são necessariamente amoldadas aos contornos dos mais de 60 sessenta anos vividos. Entretanto, quanto à Escola Dominical “será que tem se preparado para atender a um grupo que tende a crescer no Brasil?” O questionamento correto levantado pelo Pastor César Moisés se dá em razão de que, como já dito, esse grupo de pessoas também têm necessidades específicas, como por exemplo:

  1. Ajustar-se à aposentadoria;
  2. Encontrar novas maneiras de ser útil;
  3. Entender programas de aposentadoria disponíveis no mercado;
  4. Adaptar-se a uma renda reduzida;
  5. Aprender a viver sozinho;
  6. Relacionar-se com os netos;
  7.  Entender o processo de envelhecimento;
  8. Conservar a moral alta;
  9. Manter a boa aparência pessoal;
  10. Preparar-se para a morte.

       Em regra, esses itens sintetizam as maiores necessidades dos idosos e a ED deve levar isto em conta para que o aluno seja devidamente atendido por meio das ministrações das lições bíblicas.

Proposta para criação de uma nova classe.

       1)O primeiro passo para implementação do atendimento especializado ao grupo de pessoas da melhor idade é avaliar a relação de alunos matriculados na ED e listar todos que possuem idade igual ou superior a 60 anos de idade (se for conveniente pode-se flexibilizar levemente a regra da idade). Aqui é importante avaliar: A quantidade de alunos permite a criação de uma nova classe? Há alunos homens e mulheres suficientes para criação de duas classes?

       2)Em seguida deve ser avaliado se há espaço físico disponível e adequado. O acesso à sala de aula deve ser um facilitador e não impedimento para o aluno frequentar a ED. Deve-se priorizar espaço para sala de aula no térreo, bem ventilado e bem iluminado, evitando-se escadas e pisos escorregadios.

       Sugere-se ainda que a sala conte com materiais de primeiros socorros, aferidor de pressão arterial e outros, além de pessoas apta a manuseá-los, pois há notícias de incidentes com alunos.

       3)Um dos pontos mais importantes é a seleção do professor. Seja em classe voltada para homens ou mulheres idosos o(a) professor(a) não deve ser muito jovem, pois há necessidade de certa experiência para compreender melhor os anseios dos alunos. Se possível, sugere-se que o(a) professor(a) seja da mesma faixa etária ou próxima, pois neste caso a identificação entre professor e aluno seria mais um facilitador do ensino; necessário ainda que seja idôneo, tenha bom testemunho da igreja, seja um estudioso das Sagradas Letras e apto para ensinar.

       É necessário observar ainda que o ritmo das aulas deve ser adaptado aos anseios da classe. Não será raro encontrar alunos nessa faixa etária que não sabem ler  fluentemente, ou mesmo analfabetos; alguns com mais dificuldade na articulação dos argumentos e exposição de suas idéias, outros com a visão debilitada, etc. Tudo isto deve o professor levar em conta a fim de que o aluno possa progredir no aprendizado e sentir-se acolhido pela ED.

       Muitos idosos são vigorosos e atuantes na casa do Senhor (Sl 92:14). Mas, por outro lado, pode ser que algum membro da igreja, de idade avançada, não frequente a Escola Dominical em razão de problemas de saúde que o impeça de locomover-se até o templo. O professor, juntamente com a classe, pode avaliar isto, e se constatado que algum irmão em Cristo está impossibilitado de frequentar a ED deve receber visitas regulares e ensino, se possível, pois certamente esta limitação física já traz consequências emocionais e a demonstração de afeto por parte dos integrantes da Escola Dominical pode ser verdadeiro bálsamo na vida do idoso.

CONCLUSÃO

       A maior agência de ensino do Evangelho sobre a face da terra precisa estar atenta às mudanças vivenciadas pela sociedade, pois só assim poderá compreender melhor as necessidades de cada seguimento, adequando-se e criando novas estratégias para o sucesso no ensino bíblico. Neste aspecto, repousa sobre a Escola Dominical a obrigação de atender, com excelência e qualidade aos idosos, os quais têm muito a aprender ainda, mas também muito a ensinar com a sua larga experiência.

João Paulo da Silva Mendes

Pb e Superintendente da Escola Dominical na Assembléia de Deus Central em Araguari (MG). Comentarista das Lições Bíblicas para Juvenis da CPAD. Licenciado em Matemática e Bacharel em Direito.

Revista Ensinador Cristão – Ano 19 – nº75 – CPAD

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s