A missiologia cristã sob o movimento Reformado

A Missiologia é uma área de estudo da Teologia relativamente recente, com origem na primeira metade do século XX. Surgiu como demanda teológica das discussões sobre estratégias da evangelização, realizadas pela Conferência de Evangelização em Edimburgo (1910). O intenso esforço missionário protestante dos séculos XIX e XX (chamado de “O Grande Século das Missões”), os problemas culturais e sociopolíticos (apontados pelo antigo Terceiro Mundo em relação ao missionarismo moderno), as guerras e a condição humana no Ocidente, etc. foram situações que pediram reflexão teológica das missões em geral, envolvidas diretamente com as questões dos novos contextos. A Missiologia aparece como um dos resultados da Teologia no esforço de corresponder a tais problemas. 

Das estratégias de evangelização às discussões da primeira metade do séc. XX, houve uma convergência para a busca de entendimento da natureza missionária da Igreja , as implicações sociais da evangelização e sua contextualização. Áreas do conhecimento científico, como a Sociologia, Antropologia Cultural, Linguística e outras, serviram de instrumentais teóricos e metodológicos para o estudo da Missiologia. A América Latina, por ter sido por muito tempo campo do missionarismo protestante moderno, desde meados do século passado, tem realizado esforços próprios de pensar a missão da Igreja a partir de seu próprio contexto, gerando no seio evangélico mais do que uma missiologia, e, sim, uma Teologia de natureza missionária, com ênfase na contextualização de seu conteúdo e método, o que chamamos de teologia evangélica latino-americana.

A Reforma Protestante como Prática Missional Integral e Libertadora

A Reforma Protestante do séc. XVI foi acusada de não envolver a evangelização dos povos não cristãos, principalmente aqueles do chamado “Novo Mundo”, para onde foram os Jesuítas e outras ordens monásticas levar o cristianismo católico. Isto, de fato, ocorreu, e, entre justificativas teológicas, principalmente aquelas orientadas pelas ideias da eleição e da predestinação, estavam a necessidade de concentração de esforços para o estabelecimento do movimento de Reforma na Europa. Outra razão foi a não superação da ideia de cristandade pelo movimento protestante inicial e a manutenção da relação entre Igreja e Estado, tão criticada pelos anabatistas, que levou a estabelecer inicialmente o protestantismo somente em lugares em que os governantes se tornavam protestantes. 

Se considerarmos a evangelização em seu sentido restrito, de proclamação oral do evangelho visando a conversão de pessoas para o cristianismo, certamente concluiremos que a Reforma Protestante teve pouco envolvimento evangelizador. Mas, sob o ponto de vista de uma nova evangelização, em seu sentido lato, abrangente, de transformação da vida e da realidade sócio-histórica, a partir do encontro com a graça de Jesus Cristo por meio das Escrituras, verificaremos que o movimento protestante, desde suas origens, mostrou-se caracteristicamente missional. Foi justamente no espírito de missão que a Reforma Protestante se deu. Por outro lado, fica o entendimento de que ações realmente missionárias provocam profundas transformações, verdadeiras reformas, em todo o contexto em que elas são realizadas.

A Europa da época dos reformadores era organizada na forma de cristandade, o que não significa que todas as pessoas eram de fato cristãs. A Reforma não somente contribuiu para colocar a Bíblia nas mãos do povo, mas estimulou seu livre estudo, ensinando que o Espírito Santo ilumina a todos para essa tarefa, indistintamente. O culto foi descentralizado e ganhou novos significados, com ênfase nas Escrituras, no ensino e na pregação. A salvação pela graça em Jesus Cristo foi a descoberta mais libertadora dos reformadores. Foi a verdade das verdades no movimento protestante, suficiente para desmantelar o clericalismo que prevaleceu na Igreja medieval. A corrupção teve no sistema de indulgências um terreno fértil para se propagar; por meio da dominação política e social da Igreja que se autocompreendia como detentora do poder de salvação.

A salvação pela graça de Jesus Cristo foi a verdade mais missional e libertadora, aplicada pela Reforma Protestante àquela situação religiosa e sociopolítica da Europa medieval. A libertação, sob tais bases teológicas, não se ateve somente às questões religiosas, mas foi também política e social, a ponto de ser considerada uma das forças da mudança cultural que ocorreu na Europa e originadora da modernidade.

Conclusão

A Missiologia, contemporânea, possui como uma de suas tarefas mais urgentes, recuperar a importância da Reforma Protestante, a partir dos novos contextos sócio-históricos e culturais latino-americanos, visando a sua necessidade de transformação. É preciso, entretanto, não somente de um círculo de interpretação adotado pela Missiologia latino-americana, mas da condição de Ecclesia Reformata et Semper Reformanda est, lema e propósito originário da Reforma, de suspeitar e não reproduzir os aspectos antitestemunhais do evangelho do Reino que se deram no incurso do movimento de Reforma e no posterior desenvolvimento do protestantismo. No entanto, como orientação missional, o caráter amplamente libertador da Reforma, a tornou fundante, não somente do protestantismo enquanto vertente cristã, mas da própria missão protestante que, em função de tais bases históricas e teológicas já apontadas, exige ser libertadora e integral, não menos do que isto.

• Regina Fernandes Sanches é mestre em teologia e práxis, especialista em história e cultura Afro-brasileira e atuante na educação teológica desde 1995. 

Nota: Texto escrito a partir da participação da autora em “Diálogos na Web 500 Anos Reforma Protestante”, uma iniciativa da Aliança Evangélica. Publicado originalmente pela Aliança Evangélica e também graças à parceria entre Aliança Evangélica, Ultimato e Basileia.

http://www.ultimato.com.br/conteudo/a-missiologia-crista-sob-o-movimento-reformado

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s