Frontiers

Nossa História

A história da Frontiers Brasil começou no ano de 2005, mas é uma sequência da história da Frontiers internacional que já havia começado em 1983, quando um jovem por nome Greg Livingston, sente, em seu coração, um peso e uma paixão pelos povos muçulmanos. Percebendo, na época, que a maioria esmagadora das agências focavam em outros povos, por considerarem que os povos muçulmanos eram impossíveis de serem alcançados, dá início ao Movimento da Frontiers em direção aos muçulmanos.

O Movimento cresce e bases são estabelecidas na América do Norte, Estados Unidos e Canadá, depois Europa, Inglaterra, França, Suíça, Alemanha, Noruega, entre outros países europeus. Chega à Ásia, na Coréia, Filipinas e Hong Kong.

Quase ao mesmo tempo, uma parceria é feita com a FEDEMEC, a maior agência missionária da Costa Rica, na América Central. A partir daí o movimento da Frontiers começa a enraizar-se também na América de fala espanhola, vindo em seguida as bases do México e da Colômbia.

Depois de 22 anos de caminhada do Movimento da Frontiers, já com obreiros bastante experientes no trabalho entre os muçulmanos e mais de 150 equipes trabalhando nos campos, Abraham Duran, obreiro que tinha sido muito bem sucedido plantando igrejas entre os muçulmanos do Oriente Médio e deixado muitos seguidores de Jesus naquela região, toma para si a incumbência de abrir bases na América do Sul, especialmente Bolívia, Argentina e no Brasil.

Corria, então, aquele ano de 2005, sem saber das intenções de Abraham Duran, e sem nunca terem ouvido falar da Frontiers, dois pastores resolvem ir até a Bolívia visitar alguns obreiros brasileiros que trabalhavam naquele País, na cidade de Santa Cruz de La Sierra. Um deles era o pastor Josafá Moraes Pereira de saudosa memória.

Em lá chegando, entre as visitas que foram feitas, encontraram uma obreira brasileira que lhes disse ter uma amiga brasileira, casada com um francês que serviam numa Base da Frontiers da França. Era desejo deles que o Movimento também tivesse uma Base no Brasil. Indagava ela se os pastores não conheciam alguém que poderia assumir o trabalho de estabelecer esse Movimento no Brasil. Ambos disseram no momento não saber ou se lembrar de nenhuma pessoa com aquele perfil, no entanto, se soubessem de alguém, entrariam em contato. Era o final do mês de setembro daquele ano.

Retornando ao Brasil, já no mês de outubro, um dos pastores vai participar, do 5º Congresso Brasileiro de Missões na cidade paulista de Águas de Lindóia, juntamente com o doutor Cristiano Nitahara, médico que apoiava o trabalho dos obreiros e patrocinou a inscrição de alguns deles naquele Congresso.

Já no segundo dia do Congresso, passando por entre os stands das diversas organizações e agências, para surpresa deles, encontraram um stand onde se lia: Fronteras. Era o nome do Movimento da Frontiers na América espanhola.

Neste momento, sem pensar muito no que dizia, um deles afirma e pergunta para os dois homens que estavam no stand: “Creio que eu sei o que vocês vieram fazer aqui, vocês estão procurando um líder para ser o diretor dessa organização no Brasil?”

Eram eles, Abraham Duran e Vitório Ibadon, que ficaram muito surpresos com aquela colocação, pois, não tinham comentado com ninguém acerca do propósito da viagem e da participação deles no Congresso. Eles se entreolharam e perguntaram como aqueles brasileiros poderiam saber daquela informação que, até então, não era de conhecimento público, e são informados da recente viagem e da conversa com a obreira na Bolívia.

Aquele encontro, totalmente inesperado e surpreendente, preparado não pelas meras intenções humanas, mas, certamente, pela intervenção do Senhor da Seara, dá início ao Movimento da Frontiers no Brasil. Abraham e Vitório, entenderam que alí estava parte da resposta de sua missão no Brasil e de suas orações.

A partir daí, convidados por aqueles dois membros do Movimento da Frontiers na América Latina, começam os preparativos para a organização do escritório da Frontiers Brasil. Uma diretoria é constituída e eleita numa assembleia e inicia-se o Movimento brasileiro. O trabalho começa tímido e lento, mas, logo a primeira obreira, Hui Ling, é enviada para China.

Hoje, o Movimento está caminhando com mais desenvoltura, há muitos trabalhadores nos campos muçulmanos, lá, impulsionados pelo poder do alto, eles cumprem a missão de levar as Boas Novas, em obediência a Grande Comissão.

Frontiers

Com amor e respeito, convidamo​​​​​​​s todos os povos  muçulmanos a seguirem Jesus. 

Nunca na história houve um movimento de Deus entre os muçulmanos seguindo a Jesus como nos últimos 30 anos!

Deus está operando de forma maravilhosa.

E ainda há mais de 1.000 povos muçulmanos não engajados, sem acesso ao evangelho.

 

QUEM SOMOS NO MUNDO

Somos um movimento internacional desde 1983, enviando pessoas de mais de 40 países diferentes para mais de 54 países muçulmanos, formando uma comunidade de mais de 240 equipes nos campos mais difíceis.

Mudamos alguns paradigmas na atuação entre povos muçulmanos e continuamos, até hoje, enviando profissionais, empreendedores, estudantes e famílias para os lugares menos alcançados da terra.

Começamos na América do Norte e Europa. Hoje temos representantes dos 5 continentes liderando entre nós.

Em tudo o que fazemos, nosso objetivo final sempre foi e será a glória de Deus.

Por que fazer parte da FRONTIERS? 

Deus quer que todos os povos muçulmanos do mundo tenham acesso ao conhecimento de Jesus Cristo e nós também!

Isto é audacioso, porém cremos que Ele enviará as pessoas certas para cumprirem a tarefa.

​​​​​Por isso oferecemos a:

1. Igrejas e agências parceiras: acesso a recursos especializados e de vanguarda.

2. Vocacionados: treinamento e cuidado diferenciado no campo, além de pertencer a uma comunidade idônea, comprometida e obediente à ordem de Jesus!

3. Pessoas aqui no Brasil que querem se envolver com o movimento de INTERCESSÃO: informações atualizadas e orientação em como poder desenvolver o seu ministério.

4. Divulgadores:  treinamento e acesso a materiais específicos que auxiliarão a compartilhar a visão.

5. Mantenedores e investidores no Reino: projetos relevantes entre várias etnias.​​​​​​​

1000234
​​​​​​​

Nossos diferenciais

983194

  • ​​​​​​​Inovação. Honramos tradição, mas somos extremamente inovadores. Aceitamos riscos para o avanço do Evangelho e cremos que as decisões mais importantes devem ser tomadas por aqueles que estão no campo. Isso nos torna mais dinâmicos e orgânicos.​​​​​​​​​​​​​​
  • ​​​​​​​Preparo ao campoÉ personalizado. Sede de aprender e humildade são fundamentais. Cremos que adultos só aprendem quando sentem necessidade e possuem oportunidade de aplicar o que aprenderam.​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​
  • Parcerias como chave para o avanço. Diversidade faz parte de nosso DNA e temos abertura para fazer parcerias com organizações em diferentes áreas.
  • Ações estratégicas. Nossa meta imediata: movimentos de plantação de igrejas entre os povos muçulmanos.​​​​​​​​​​​​​​

​​​​​​​Nosso objetivo final é a glória de Deus

Glorificar a Deus através de palavra e obra descreve nossa motivação mais alta e também o propósito final de nossas vidas.

CONFISSÃO DE FÉ

NÓS CREMOS…
  • … nas Sagradas Escrituras como originalmente dadas por Deus, por divina inspiração, infalíveis, totalmente confiáveis; sendo a suprema autoridade em todas as questões de fé e conduta.
  • … num único Deus que existe eternamente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
  • … em nosso Senhor Jesus Cristo, Deus manifesto na carne, em seu nascimento virginal, sua vida humana sem pecado, seus milagres divinos, sua morte vicária e expiatória, sua ressurreição do corpo, sua ascensão, sua obra mediadora e seu retorno pessoal em poder e glória.
  • … na salvação do homem perdido e pecador, por meio do sangue derramado do Senhor Jesus Cristo pela fé, não por obras, e na regeneração por meio do Espírito Santo.
  • … no Espírito Santo, que ao habitar no crente capacita-o a viver uma vida santa, a testemunhar sobre o Senhor Jesus Cristo e a trabalhar para Ele.
  • … na unidade por meio do Espírito de todos os verdadeiros crentes que são a Igreja, o Corpo de Cristo.
  • … na ressurreição tanto dos salvos como dos perdidos; os que são salvos, a ressurreição para a vida; os que são perdidos, a ressurreição para a condenação.

Este slideshow necessita de JavaScript.

http://www.frontiers.org.br

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s