Junta de Missões Mundiais (JMM)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não, não é canudinho de refrigerante……. 

É uma corda….. Fiz essa figura no Word… desculpem pela baixa qualidade

Bem, falando sério. Esta imagem fala de Missões.

Duas figuras puxam a corda; outra, na beirada do poço, dá orientações e apoio. Uma desceu até o fundo pendurado na corda, tentando salvar aquele que está no fundo do poço.

Você consegue enxergar Missões aqui?

Quem é o missionário? Sim, isso mesmo, é aquele que desceu pela corda. É aquele que vai onde muitos não podem ir. A pessoa que desce até pelo poço para salvar vidas no lamaçal do pecado.

E a figura no fundo do poço? São os perdidos no mundo, é claro!

As duas figuras puxando a corda, sustentando o missionário representam os mantenedores e os intercessores.

Os mantenedores sustentam financeiramente e fisicamente o missionário e sua família. Missionário precisa de lazer também, seus filhos gostam de video game, sua esposa gosta de pintar o cabelo e de sapatos novos. Mantenedor é aquele que dá seu dinheiro para que o missionário tenha a suficiência.

Os intercessores também ajudam a segurar a corda, eles oram a Deus clamando pela família do missionário e pelas almas que se converteram e que se converterão ao Rei dos Reis.

A figura que está à beirada do poço, ora olhando para o poço, ora olhando para quem segura a corda, representa os pastores que enviam os missionários. São verdadeiros apóstolos, pois, implantam igrejas, enviam missionários para elas, dão o suporte espiritual e estratégico para as novas igrejas.

Missões ocorrem a partir de três configurações de pessoas:

  • os que vão pessoalmente;
  • os que vão de joelhos
  • os que vão com seu dinheiro.

Todos são missionários, cada um em sua esfera de atuação. Evidentemente, aqueles que oram também contribuem. Os mantenedores também oram. Todos fazem missões, seja com seus vizinhos, seja em outra região de seu país ou no mundo.

O que você tem feito em missões?

Quem Somos

A Junta de Missões Mundiais (JMM) é uma organização missionária da Convenção Batista Brasileira, com atuação em mais de 75 países. Criada em 1907, sua atuação consiste na expansão do trabalho missionário além das fronteiras do Brasil, no despertamento e preparo de vocacionados para missões, dentre muitas outras ações que contribuem para a proclamação do Evangelho no mundo. Foi durante a primeira Assembleia da Convenção Batista Brasileira, em 1907, que o missionário americano William Buck Bagby sugeriu a formação de uma agência missionária que cuidasse da expansão missionária, fora dos limites geográficos brasileiros, das igrejas filiadas à CBB. Em 27 de junho surgia a Junta de Missões Estrangeiras. O Chile foi o primeiro campo missionário, através do obreiro nacional Wenceslao Valdívia. Em 1911, o Pr. João Jorge de Oliveira seguiu para Portugal, tornando-se o primeiro missionário brasileiro enviado pela então JME.

Estes e muitos outros dados históricos estão narrados no livro “100 anos de histórias”, de autoria do Dr. Zaqueu Moreira de Oliveira e sua esposa, Dra. Edelweiss Falcão de Oliveira. Atualmente, mais de 1.500 missionários anunciam o Evangelho de Jesus em países dos cinco continentes. Eles evangelizam, plantam igrejas e desenvolvem diversos projetos sociais. Nas últimas décadas, a JMM tem adotado estratégias para alcançar países fechados à pregação do Evangelho, especialmente na Janela 10/40. Para tanto, possui um plano de metas que regula e norteia o avanço missionário no mundo. O objetivo do trabalho missionário da JMM é que todos os povos sejam alcançados e transformados pela mensagem do amor de Deus.

História JMM

Antecedentes e fundação

Textos de Othon Ávila Amaral, historiador, membro da IB Betel em Mesquita (RJ)

Os batistas brasileiros há 111 anos, por ocasião da reunião anual da União das Igrejas em Cristo do Sul do Brasil, constituída pelas igrejas do Rio de Janeiro (1884), de Campos/RJ (1891), de Niterói/RJ (1892), de São Fidélis/RJ (1894), de Juiz de Fora/MG (1889), de Barbacena/MG (1892) e de Santa Bárbara d’Oeste/SP (1871), reuniram-se a fim de levantar dinheiro para sustentar um missionário. E a União, durante sua curta existência, muito se esforçou para o desenvolvimento do espírito missionário. Dois anos depois, em Juiz de Fora/MG, a União permanecia com os mesmos propósitos e os representantes das igrejas deliberaram fervorosamente a necessidade de sustento próprio a fim de ajudar na evangelização do Brasil e do mundo. O assunto foi tão entusiasticamente debatido que foi votado, por unanimidade, sustentar um obreiro nacional da África. Tais antecedentes comprovam o amor que os brasileiros têm pela obra missionária.

A Junta de Missões Estrangeiras, seu nome original, surgiu mediante parecer apresentado pelo missionário Willim B. Bagby na sexta sessão, no último dia da Convenção, em 27 de junho de 1907. Foram membros da histórica e altamente qualificada comissão: Salomão Luiz Ginsburg, Eurico Alfredo Nelson, Albert Lafayette Dunstan e Francisco Fulgêncio Soren.

Na mesma assembleia dois mensageiros, Eurico Alfredo Nelson e W. H. Cannada, propuseram, com apoio, que a Junta recém-criada enviasse o missionário Bagby ao Chile para conhecer os batistas ali existentes e definir se aquele país deveria ser, ou não, o primeiro campo missionário estrangeiro dos batistas brasileiros; e também que a Junta de Missões Estrangeiras estudasse a possibilidade de abrir um trabalho batista em Portugal.

Visão, Missão e Valores

Missão

Fazer discípulos em todos os povos e lugares não alcançados.

Visão

Mobilizar a igreja para conectar pessoas a Jesus, transformar comunidades e impactar as nações com o evangelho.

Valores

Dependência de Deus – Ter a oração e a palavra como a base do ministério, convictos de que a obra é de Deus e somos seus cooperadores.

Integridade – Viver de forma coerente com os princípios morais e éticos da palavra de Deus.

Unidade – Atuar de forma coesa, valorizando dons e habilidades, tornando-nos mais fortes para o alcance de um objetivo comum.

Compaixão – Servir ao próximo movido pelo amor de Cristo diante do sofrimento e da injustiça no mundo.

Contemporaneidade – Interagir com as novas gerações para cumprir o mandato missionário com dinamismo e inovação, atento às tendências sociais, culturais e tecnológicas.

http://missoesmundiais.com.br

https://www.missoeseadoracao.net/2007/05/qual-sua-posio-frente-misses.html

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s