Temperamentos

       A partir do nascimento, vários níveis constitucionais, químicos, metabólicos e neurais estabelecem para o indivíduo recursos à formação de sua personalidade. Esses níveis são chamados pelos psicólogos de temperamento.

       O termo temperamento vem do Latim “temperamentum”, procedente de “temperare”, que significa “combinar em justas posições”. É a mesma derivação de tempero e temperança. O temperamento inclui nosso modo de perceber as coisas, de fazer escolhas e de relacionarmo-nos com outras pessoas.

Existem vários conceitos para o termo temperamento. Allport (1974) é o teórico que faz uma das descrições mais completas sobre o tema.

O temperamento refere-se aos fenômenos característicos da natureza emocional de um indivíduo, na qual se incluem sua suscetibilidade à estimulação de sua disposição predominante, e todas as peculiaridades de flutuação e intensidade de disposição, sendo que tais fenômenos são vistos como dependentes da organização constitucional, e, portanto, como em grande parte, originários da hereditariedade.

         Segundo Allport, o temperamento não é imutável do nascimento à morte, ainda que a probabilidade de mudança seja mínima, ocorrendo algumas vezes por influências médicas, cirúrgicas e de nutrição, bem como no decurso da aprendizagem e das experiências de vida.

1 – A teoria da existência  dos temperamentos

       A teoria da existência dos temperamentos começa com Empédocles no século V A.C., quando este afirmava que toda a natureza era composta de quatro elementos básicos: ar, terra, fogo e água. Depois dele, vem Hipócrates, no segundo estágio da teoria, acrescentando que a natureza, como um todo (o macrocosmo), deve refletir-se na constituição do homem (o microcosmo). Segundo ele, esses elementos são representados no corpo humano sob a forma de quatro “humores”: sangue, bílis negra, bílis amarela e fleuma. Havendo a predominância de um deses humores, haveria, correspondentemente, a predominância de um temperamento, conforme a exposição abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

A denominação dos quatro tipos de temperamentos como: sanguíneo, colérico, fleumático e melancólico foi elaborada pelo médico romano Galeano. Cada um deles possui pontos fortes e pontos fracos, mas nenhuma pessoa apresenta características de um só temperamento, embora possa haver predominância de um deles.

2 – Variação do temperamento

O comportamento do indivíduo varia de acordo com o seu temperamento. O temperamento define a maneira básica de reação de cada pessoa frente à vida e aos seus obstáculos, bem como às suas dádivas. Os tipos de temperamentos interferem, portanto, na maneira como as pessoas agem e reagem nos seus relacionamentos e acontecimentos de um modo geral.

       Vejamos as demonstrações abaixo:

VARIAÇÃO DO TEMPERAMENTO

Este slideshow necessita de JavaScript.

ALGUMAS VIRTUDES E DEFEITOS

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Psicologia Pastoral – A Ciência do Conhecimento Humano como Aliada Ministerial

Jamiel de Oliveira Lopes – CPAD

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s