Letargia X Esgotamento espiritual

Resultado de imagem para imagens de LETARGIA ESPIRITUAL no cristianismo

LETARGIA

Sonolência doentia, estado de inércia (paralíticos), indiferença.
Apatia provém do grego clássico apatheia.
Páthos em grego, significa “tudo aquilo que afeta o corpo ou a alma”. 
Indolência(não sente dor, muito menos as dores alheias), preguiça.

DESPERTA, Ó TU QUE DORMES…

“Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.” (Ef 5:14).

Todos nós temos que estarmos em constante vigília, algo quase  impossível em nossos dias.  Mas, conforme diz a Palavra do Senhor, a vinda de Cristo está próxima, e nós, o que estamos fazendo? Estamos realmente preparados para a manifestação da volta de Cristo?

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.
Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,
E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.” Mt 24:37-39

“Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.” Mt 24:42

Muitas das vezes, por mais que a Palavra fale aos nossos corações, nós temos os nossos momentos letárgicos, ou seja, impassibilidade de espírito, para ser mais direto, nos somos muitas vezes INSENSÍVEIS, INDIFERENTES ao que diz a Palavra.

E não são poucas as passagens bíblicas, vejam:

  • “O espírito do homem susterá a sua enfermidade, mas ao espírito abatido, quem o suportará?” Pv 18:14
  • “O preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono?” Pv 6:9
  • A alma do preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança, mas a alma dos diligentes se farta.”Pv 13:4
  • “Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas.”Pv 22:13.
  • “Um pouco a dormir, um pouco a cochilar; outro pouco deitado de mãos cruzadas, para dormir,
    Assim te sobrevirá a tua pobreza como um vagabundo, e a tua necessidade como um homem armado.” Pv 24:33-34

A letargia espiritual deverá ser tratada como se fosse uma doença:

“Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes. ” Mt 9:12

“E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo?
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca.
E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade.
E, voltando, achou-os outra vez adormecidos; porque os seus olhos estavam pesados.”Mt 26:40-43

“Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o senhor da casa; se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã,
Para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo.” Mc 13:35-36

A letargia nos tornam pessoas paralíticas espiritualmente:

“Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra poder de perdoar pecados (disse ao paralítico), a ti te digo: Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa.”

E, levantando-se logo diante deles, e tomando a cama em que estava deitado, foi para sua casa, glorificando a Deus. “. Lc 5:24-25.

Concluindo:

  • “E todos choravam, e a pranteavam; e ele disse: Não choreis; não está morta, mas dorme. “Lc 8:52.
  • “Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono.” João 11:11

Não nos entreguemos à morte, ainda há tempo, eis que o Senhor perto está.

Quanto a passagem bíblica, realmente, a menina já estava morta, não existia nenhum fôlego de vida, por isso todos riam quando Jesus disse que ela estava dormindo.

Quem tem o dom da VIDA, senão somente Jesus Cristo, o Filho do Altíssimo?

Não caia no sono da morte, tenha um encontro marcante com Jesus Cristo para que tenhais a Vida Eterna.

Nós não sabemos quanto tempo de vida teve a filha de Jairo, a qual Cristo tornou-lhe à vida, mas, uma coisa é certa, ela teve um encontro marcante com Jesus e Cristo quando cura, este cura até o mais profundo de nossa alma, tornando-a imortal, tornando-a eterna.

Lázaro, foi o ápice de ressuscitamento dentre os mortos, havia quatro dias que estava morto, e Jesus rogou a seu Pai, que estais nos Céus, para  Lázaro tornar-se à vida, a fim  que, todos venham a reconhecer o Poder de Deus, o Todo Poderoso.

Tenhamos a nossa Fé sempre alicerçada Naquele que tem “TODA” a autoridade sobre os grilhões da morte.

“Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?
Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.
Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor. ” 1ª Co 15:55-58

IDENTIFICANDO A LETARGIA ESPIRITUAL

Letargia (do latim lethargia: lethe — esquecimento e argia — inação) é a perda temporária e completa da sensibilidade e do movimento por causa fisiológica, ainda não identificada, levando o indivíduo a um estado mórbido em que as funções vitais estão atenuadas de tal forma que parece estarem suspensas, dando ao corpo a aparência de morte.


Letargia: Dic. Michaelis – Sono profundo, letargo, apatia, indiferença, desinteresse,

Este é um problema de saúde que a ciência vem estudando e tentando explicar:

Sintomas

O paciente jaz imóvel, os membros pendentes sem rigidez alguma, a respiração e o pulso ficam praticamente imperceptíveis, as pupilas dilatadas e sem reação à luz. Há casos em que o paciente, apesar da inércia absoluta, tudo percebe e compreende, mas se encontra totalmente impossibilitado de reagir de qualquer forma. Por motivo da atividade psíquica conservada durante esse estado letárgico, dá-se o nome de letargia lúcida.
Antigamente, devido a falta de recursos da medicina, haviam casos de pessoas dadas como mortas e que, posteriormente, no caso de exumações, verificou-se que o cadáver se encontrava em posição diferente da qual fora colocado no caixão ou de tampas arranhadas, sugerindo que tais pessoas foram enterradas vivas durante um estado letárgico. Atualmente a medicina reconhece como mortas somente as pessoas que não apresentem nenhuma atividade cerebral, o que impossibilitaria tal fato.

O que é letargia Espiritual?

(Mt 14:22-31; Mt 15:32-33; 24:32-50;25:1-12; 26:36-46. Lc 8:22-25;24:1-53. João 20:1-30;21:1-23)

Em todos estes textos que lemos, notamos as mesmas atitudes dos discípulos, à incapacidade de CRER e de ENTENDER as Coisas Espirituais de vivenciar a palavra que já foi liberada a favor dos acontecimentos, e de se mover a partir dessas palavras.
“A Letargia espiritual em nós é um estado de sonolência quanto às coisas espirituais”
Sintomas da Letargia Espiritual:
A Imobilidade: A incapacidade de se mover apenas pela fé.
A Inércia: É incapaz de interagir de qualquer maneira no ambiente de culto: não canta, não louva, não adora, não ora, não participa de nada, a única preocupação é com a hora de terminar.
Suspenso: As funções vitais do corpo parecem não funcionar não há expressão de vida.
Insensibilidade Espiritual: Os sentidos estão bloqueados, visão, audição, paladar, tato, olfato.

No Livro de (Ap 3:14-22) na Carta direcionada primeiramente à igreja em Laodiceia
Significado do Nome Laodiceia grego (Justiça feita pelo povo)

Histórico: Laodiceia foi fundada por Selêucida Antíoco II, rei da Síria, por volta do ano 250 a.C. O nome da cidade foi dado em homenagem a sua esposa, que se chamava Leodice. A cidade tinha uma localização geográfica privilegiada, na confluência de três grandes estradas da região. Isso fez de Laodiceia um grande centro comercial e industrial. Ali havia indústrias de lã, de produtos medicinais e de roupas. Destacavam-se em Laodiceia suas águas térmicas e um produto para os olhos, fabricado por uma escola de medicina da cidade.
Laodiceia era uma cidade que se orgulhava de sua riqueza. No ano 61 a cidade tinha sido parcialmente destruída por um terremoto, mas seus cidadãos rejeitaram a ajuda do Imperador Romano, afirmando que eles mesmos poderiam reconstruir sozinhos, sua cidade.
Mais tarde, a cidade foi destruída por um terremoto e abandonada. Hoje, de Laodiceia só existem ruínas.
A queixa de Cristo sobre a ação dessa igreja diz respeito à letargia Espiritual. Não era fria – indiferença completa e manifesta; e nem quente – de zelo fervoroso.Era morna, tépida. A igreja era indiferente e superficial. Viajantes que passavam pela cidade descobriam perto de Hierápolis lindos mananciais. Cansados e sedentos, paravam lá para matar a sede. Mas viam que as águas eram mornas. Talvez nada naquela hora lhes fosse pior. O Senhor expressa à mesma insatisfação para com essa igreja morna, e por isso, estava a ponto de vomitá-la. É mais fácil lidar com uma igreja fria do que com uma morna, indiferente, superficial. À semelhança da cidade, a igreja se considerava rica e abastada; mas o Senhor lhe diz: “tu és infeliz, sim, miserável, pobre”. Possuía riquezas materiais, mas espiritualmente estava na miséria.
Por isso o Senhor a aconselha: “de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres”. Ou seja, a riqueza espiritual a igreja só encontraria no Senhor. Laodiceia era, também, famosa por sua lã escura. Produzia-se ali uma lã escura acetinada, com a qual se confeccionavam lindos vestidos procurados por gente de todas as nações. É provável que os membros da igreja também se orgulhassem de se vestirem bem. Mas o Senhor diz à igreja que ela estava nua espiritualmente. E mais: “Aconselho-te que de mim compres… vestiduras brancas para te vestires”. A igreja devia buscar, no Senhor, a santificação com a qual se enriqueceria espiritualmente.
Outro orgulho da cidade era o colírio para os olhos, produzido pela Escola de Medicina. O Senhor usa essa situação para denunciar a cegueira espiritual da igreja.
 “Aconselho-te que de mim compres… colírio para ungires os teus olhos, a fim de que vejas”. Era total a insatisfação de Jesus com aquela igreja.
  Laodiceia era uma igreja orgulhosa e arrogante. Espiritualmente era uma igreja falida, mas a sua riqueza e, possivelmente, a riqueza de seus membros fazia com que ela se julgasse rica. Mas o pior é que na igreja de Laodiceia, Jesus estava do lado de fora!

A carta à igreja em Laodiceia nos adverte para que avaliemos uma igreja pela sua vida Espiritual e não por seus bens materiais.

COMBATENDO A LETARGIA ESPIRITUAL

Com certeza há uma ação espiritual maligna que age em nossa mente em função de criar um ambiente de letargia em nós e depois na igreja.  Não podemos conviver naturalmente com isso e achar que é apenas uma questão de oferta e procura, ou seja, o que nós temos a ofertar é isso. Se não é  o que você procura,  procure em outro lugar.

Percebemos que as pessoas de forma geral querem novidades e isso é parte do que temos visto como “influência do espírito da Grécia” (At 12:21..Ouvir as últimas novidades..)Nós não estamos livres de sermos afetados por esse mal  e  de criar também em nossa vida essa busca por coisas “diferentes”. Por não vivermos a novidade de vida que Cristo nos garante (Rm 6:4) queremos viver as novidades desta vida onde é tudo VAIDADE (Ec 1:4:10)

Mesmo depois de Jesus Cristo ter nos libertado do jugo “Amizade” com o mundo ainda vivemos entrelaçado com ele e a sua maneira de ditar á nossa vida, e assim nos tornamos amigos do mundo e  inimigos de Deus.O Senhor nos chama para um padrão diferenciado na maneira de ser e viver, mas ainda por razão da nossa incredulidade não vivemos o padrão de Deus por achar muitas vezes que o padrão de Deus é utópico e por isso, nos tornamos tão apáticos para as coisas espirituais  e  vivenciamos o ânimo dobre, mente dividida, vontade dividida  (Tg 1:8)

Precisamos tomar atitudes drásticas contra esse mal, orando e  repreendendo o ataque na nossa mente, que nos faz perder a sensatez. (Cl 1:9-12)

“O que receio, e quero evitar, é que assim como a serpente enganou Eva com astúcia, a mente de vocês seja corrompida e se desvie da sua sincera e pura devoção a Cristo.”1ª Co 11:3

Não podemos perder o foco da nossa eleição em Cristo, fomos salvos para salvar e libertos para libertar. Essa é a nossa devoção sincera e o jejum que agrada a Deus.(Is 58:6-7; Tg 1:26-27)

Os Anjos desejam com ansiedade conhecer e observar o nosso chamado, mas não podem… 1º Pe 1: 3-12

Nós vamos ficar esperando que outros façam o que é para nós fazermos? Essa é a nossa geração. Somos a bola da vez, essa é a nossa hora de fazer a diferença e de fazer diferente…

“Desperta! Desperta! Tu que dormes! Pois o Senhor Já vem levanta! Cristo te chama!”Ef 5:14

    Convém que nós façamos às obras daquele que nos enviou, enquanto é dia: a noite vem, quando ninguém poderá trabalhar. (João 9:4)

Para isso, não dependemos mais de milagres e sim de Ação ou Reação, a questão é o que você está fazendo para mudar essa realidade de sonolência mórbida?

16 Capa Julho

 

Esgotamento espiritual é uma expressão ainda pouco conhecida nos meios evangélicos. É provável, todavia, que você alguma vez já tenha ouvido algum tipo de referência ao tema. Apesar de seu recente aparecimento em nossa terminologia, as situações que a expressão nomeia remontam aos tempos bíblicos e estão presentes no dia-a-dia da vida cristã em escala cada vez mais crescente.

Com razão você deve estar se perguntando: O que vem a ser esgotamento espiritual? Que sintomas identificam a doença? Existem meios de tratá-la? É possível, inclusive, que em algum período de sua vida você a tenha experimentado, sem, no entanto, identificá-la desta forma. A rigor, não se trata simplesmente de desânimo ou coisa parecida que eventualmente afetem o nosso estado de espírito. Ë muito mais do que isso.

O esgotamento espiritual se assemelha ao estresse no seu estágio mais profundo e ambos têm vínculos estreitos porque situações de desgaste vividas ao nível da psique levam também ao esgotamento físico. O diagnóstico da doença é perceptível quando o crente chega a um ponto de saturação, onde a fé torna-se incrédula, as convicções cristãs esmorecem, o senso do valor da existência se desvanece, já não há mais interesse nos sólidos referenciais de outrora e a luz de Cristo que norteia a vida parece ter-se extinguido sem deixar qualquer esperança de renovação. É um quadro de total abandono ao predomínio da letargia.

Elias é o exemplo clássico de como o esgotamento espiritual não se restringe apenas aos chamados “fracos na fé”. Até os “mais fortes” estão sujeitos a enfrentá-lo. Após uma série de feitos notáveis em nome do Senhor dos Exércitos, a vida espiritual do profeta entrou em tão grande declínio que ele não hesitou em bater-se em retirada diante das ameaças da mulher de Acabe para isolar-se na solidão de sua fé na caverna da incredulidade, 1 Rs 19.1-18.

Davi, o homem segundo o coração de Deus, foi outro que andou às voltas com crises agudas de esgotamento espiritual. Boa parte dos salmos revela que o grande rei de Israel se curvou até os joelhos ante o peso de suas angústias existenciais. Em situações assim, a dúvida aflorava, seu espírito consumia-se e as perspectivas de Davi se estreitavam a ponto de lhe deixarem como única opção a morte. Este é o sentido dos abundantes recursos da linguagem poética empregados pelo salmista para descrever o seu estado de alma. Expressões como “ossos desconjuntados”, “olhos consumidos pela mágoa”, “coração que arde como lenha”, “pardal solitário no telhado”, “humor em sequidão de estio” e outras nada mais são do que sinais evidentes de esgotamento espiritual.

Diversas causas contribuem para manifestar-se este quadro. A primeira, não necessariamente nesta ordem, é o ativismo, que, em si mesmo, na conduz a nenhuma espiritualidade. É a primazia da ação sem saber-se exatamente o que e com que propósito. Trabalha-se tanto por nada e, ao fim, a alma acaba extenuada. Não estou querendo negar, jamais, a importância do envolvimento na obra de Deus, mas transformar as atividades eclesiásticas em alvo e não meio é escancarar as portas para o esgotamento espiritual.

Outra fonte para esta grave doença é a falta de cuidado em repor as energias espirituais despendidas nos afazeres cristãos. Há muitos que correm de um lado para o outro cumprindo o nobre e legítimo desejo de ser instrumentos nas mãos do Senhor para abençoar o povo. Cantam, pregam, ensinam, aconselham e vivem tão esbaforidos que não encontram mais espaço em sua agenda para outros compromissos… Nem para Deus e a família. Os que chegam a este ponto encontram-se a um passo do esgotamento espiritual, se já não chegaram lá.

Não convém esquecer, ainda, o legalismo como outra causa extremamente oportuna para que a enfermidade se instale. É quando o crente, sob a enorme pressão de achar-se espiritualmente marginalizado, obriga-se a lutar no âmbito de sua humanidade para cumprir determinados códigos de regras rígidas e unilaterais, com aparência de religiosidade, que nem o mais santo dos apóstolos suportaria. O mal se agrava com a tentativa de se quantificar a espiritualidade. Sob este raciocínio, mesmo que você tenha orado por três horas seguidas (isso não é regra, por favor!), se o seu companheiro ultrapassou-o em pelo menos mais cinco minutos, é provável que muitos o considerem mais espiritual do que você, ainda que tenha sido puro farisaísmo. Numa situação dessas não há como escapar: a busca pela excelência na vida cristã passa a ser uma competição de rivais mediante o esforço humano que debilita e leva ao esgotamento espiritual.

O melhor remédio contra qualquer doença é tomar medidas preventivas. Anote aí, portanto, algumas atitudes que ajudam a evitar o esgotamento espiritual ou a sair dele quando se encontra já instalado.

1. Não meça sua espiritualidade pela dos outros. Orar cinco minutos pode ter o mesmo valor de uma oração prolongada ou vice-versa. O que determina sua importância é o nível de intimidade com Deus. É a qualidade e o propósito do que se faz.

2. Não se apegue ao legalismo, nem o transforme em sua tábua de salvação. O ato de você depender exclusivamente da graça de Deus não significa liberdade para pecar, mas a certeza de que se houver cometido pecado ele está sempre pronto a perdoar, coisa que lei nenhuma é capaz de fazê-lo.

3. Não saia para os embates contra o inimigo, nem se disponha ao trabalho incessante sem a garantia de que está suprido de forças espirituais suficientes. Lembre-se que as virgens prudentes tinham também azeite de reserva para qualquer eventualidade. As outras perderam a oportunidade por não disporem de azeite suficiente para um tempo prolongado.

4. Se ainda assim, por algum razão, vier a ser acometido pelo esgotamento espiritual, faça como Davi, que não aceitou conservar sua alma na sepultura da desolação, mas buscou descanso nos braços do Altíssimo, Sl 30.1-3.

“Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade”, Sl 46.1 (NVI).

Pr. Geremias Couto

http://boasnovas.org.br/boas-novas/pastoral/1485-esgotamento-espiritual

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s