Cristãos de Hong Kong temem perda de liberdade religiosa e perseguição da China

Cidade tem onda de protestos desencadeados contra proposta que permitirá que pessoas sejam extraditadas para a China.

 

Grupos cristãos têm desempenhado um papel significativo nos protestos de Hong Kong. (Foto: Reprodução/BBC)

Grupos cristãos têm desempenhado um papel significativo nos protestos de Hong Kong. (Foto: Reprodução/BBC)

Uma proposta de lei de extradição que desencadeia protestos violentos no aeroporto de Hong Kong tornaria mais fácil para a China perseguir os cristãos locais, segundo Gina Goh, gerente regional da International Christian Concern para o Sudeste Asiático.

Os cristãos, que representam cerca de 10% dos moradores de Hong Kong, participam dos protestos enquanto promovem a resistência pacífica, disse a defensor da liberdade religiosa em entrevista Baptist Press.

Nas últimas duas semanas, um hino cristão surgiu em meio aos protestos que atraíram milhões de pessoas para as ruas de Hong Kong.

“Aleluia ao Senhor” tornou-se o hino não oficial de multidões protestando contra a controversa proposta de lei que permitiria que pessoas acusadas de crimes em Hong Kong sejam extraditadas para o continente.

Para os cristãos de Hong Kong, o hino é um sinal de fé e também de suas preocupações de que não são apenas questões políticas, que estão em jogo, mas as religiosas, caso a lei seja aprovada.

Recentemente, o pastor Chu Yiu-ming foi condenado por sua atuação social e envolvimento com movimentos pró-democracia.

Em seu discurso no tribunal, o pastor, de 75 anos, líder da Igreja Batista Chai Wan, disse que encontrou esperança em Cristo depois de uma infância sombria e defendeu seu chamado como ministro para lutar pelos direitos humanos.

Autonomia e liberdade

Hong Kong é uma região administrativa especial quase autônoma da China com poderes executivos, legislativos e judiciais separados, operando sob o modelo “um país, dois sistemas”.

Os cristãos gozam de mais liberdade em Hong Kong do que na China continental, disse Goh, onde o Partido Comunista iniciou uma intensa perseguição religiosa.

Manifestantes se desculpam no aeroporto de Hong Kong, em 14 de agosto de 2019. (Foto: Reprodução/Stand News)

O decreto dos infratores fugitivos poderá minar as liberdades em Hong Kong, onde, por exemplo, os cristãos podem se reunir sem obter uma permissão, conforme exigido na China.

“A preocupação deles é, antes de tudo, que Hong Kong seja operada em um país, dois modelos de sistemas, mas eles acham que esta lei de extradição por si só está tentando mudá-la de um país, dois sistemas para um país, um sistema”, Disse Goh nesta terça-feira (13).

Ameaças

Mesmo sob o mesmo país, segundo dois modelos, Goh disse que um cristão de Hong Kong que enviou Bíblias para a China há alguns anos foi condenado a dois anos de prisão na China por operar ilegalmente, já que as Bíblias são proibidas no continente.

“No futuro, se esta lei passar, significa que qualquer um que tentar ‘contrabandear Bíblias’ ou ter algum tipo de interação com as igrejas domésticas chinesas será tido como ilegal,” disse Goh.

Além disso, os regulamentos religiosos estritos que a China aprovou em fevereiro de 2018 proíbem os chineses de buscar treinamento teológico, que muitos chineses obtêm em Hong Kong. Na cidade, segundo Goh, cerca de 40% de todas as escolas são baseadas na fé.

“Esta é realmente uma prática muito comum para os cristãos chineses, sejam eles sancionados pelo Estado ou cristãos das igrejas domésticas, para ir a Hong Kong para receber treinamento teológico, porque eles têm mais recursos, eles estão mais em contato com as escolas ocidentais”, revelou a defensora das liberdades religiosas.

A lei de extradição também poderia criar “maiores riscos para os cristãos chineses de vir a Hong Kong ou vice-versa, para os cristãos de Hong Kong entrarem na China para ajudá-los ou ensiná-los”, disse Goh, “porque ambos os lados podem sofrer [as penalidades].”

A chefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam. (Foto: Reprodução/BBC)

A chefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam, alinhada ao regime comunista, disse que a atual proposta de lei de extradição está morta, mas os cidadãos querem que Lam garanta que a proposta não seja revivida, disse Goh. Os manifestantes também temem que Lam esteja perdendo o controle de Hong Kong para Pequim, disse Goh.

Luta pela liberdade

Goh se reuniu com pastores protestantes e padres católicos em junho na China, disse ela, e testemunhou em primeira mão os protestos que se aproximam de três meses. “Ninguém esperava que os protestos se expandissem para incluir a violência e o fechamento do Aeroporto Internacional de Hong Kong”, disse ela.

“No começo, os cristãos estavam na vanguarda dos protestos”, disse Goh à BP. “Eu estava lá. Eu pude testemunhar como as pessoas estavam cantando as canções, cantando ‘Aleluia ao Senhor’ por horas e horas sem parar. Eu vi pessoas ajoelhadas na frente do conselho legislativo (membros) orando, muitas vigílias de oração.”

“Mesmo hoje”, disse Goh, “ainda há pastores que virão ao aeroporto, que chegarão à delegacia para continuar a protestar porque estão vendo isso como uma luta pela justiça, lutando por liberdades”.

A perda da liberdade de expressão, disse Goh, também invade a liberdade de religião. “Muitos deles acham que esta é a última oportunidade para proteger a cidade deles”.

Embora a lei de extradição, como foi proposta, isentasse casos políticos e religiosos, Goh disse que os moradores de Hong Kong não acreditam que a China manteria sua palavra.

Também alimentando a agitação em Hong Kong está o interesse do Presidente chinês Xi Jinping em promover o comunismo no 70º aniversário da fundação da República Popular da China em 1º de outubro, disse Goh, e o fato de que o acordo de 15 anos de um país e dois sistemas entre a China e Hong Kong expira em poucos anos.

Xi quer “mostrar ao mundo que o Partido Comunista funciona”, disse Goh. A China está “muito nervosa” e precisa “de tudo para ficar quieta quando fizer esta celebração. Hong Kong está criando uma enorme dor de cabeça para o presidente Xi Jinping”, disse.

Se a China enviar forças militares e criar derramamento de sangue, disse Goh, o mundo ocidental a verá negativamente.

“Estou apenas orando para que não vejamos derramamento de sangue”, disse Goh à BP. “Minha preocupação também é que, quando as coisas ficam mais violentas, as pessoas começam a perder” um senso de comportamento racional. “Eu acho que isso não vai ajudar com a causa da liberdade”, declarou.

https://guiame.com.br/gospel/noticias/cristaos-de-hong-kong-temem-perda-de-liberdade-religiosa-e-perseguicao-da-china.html

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s