Paganismo

Paganismo (do latim paganus, que significa “camponês”, “rústico”) é um termo geral, normalmente usado para se referir a tradições religiosas politeístas. É usado principalmente em um contexto histórico, referindo-se à mitologia greco-romana, bem como as tradições politeístas da Europa e do Norte da África antes da cristianização.

Num sentido mais amplo, seu significado estende-se às religiões contemporâneas, que incluem a maioria das religiões orientais e as tradições indígenas da América, da Ásia Central, da Austrália e da África, bem como às religiões étnicas não-abraâmicas em geral. Definições mais estreitas não incluem nenhuma das religiões mundiais e restringem o termo às correntes locais ou rurais que não são organizadas como religiões civis. Uma característica das tradições pagãs é a ausência de proselitismo e a presença de uma mitologia viva, que explica a prática religiosa.

Na Antiguidade eram praticadas religiões que cultivavam o respeito pelas forças vivas e sagradas da Natureza nas mitologia greco-romana e tradições politeístas europeias e norte-africanas pré-cristãs. Na Idade Média, houve a evolução do paganismo para religião cristã que se tornou oficial no Império, quando o catolicismo passou a tratar como “pagãos” romanos que continuavam fiéis às suas antigas religiões politeístas e não se convertiam ao cristianismo. Paganismo se tornou sinônimo de idolatria dos que não se convertiam ou não eram batizados, mera substituição do termo “gentio” que judeus usavam para quem não era de sua religião ou “infiéis” que muçulmanos usavam para se referir aos não-islâmicos, chamados de kafir (كافر) e mushrik.

Na perspectiva cristã, o termo foi historicamente usado para englobar todas as religiões não-abraâmicas. O termo “pagão” é uma adaptação cristã do “gentio” do judaísmo e, como tal, tem um viés abraâmico inerente, com todas as conotações pejorativas entre o monoteísmo ocidental, comparáveis aos pagãos e infiéis também conhecidos como cafir(كافر) e mushrik no Islã. Por esta razão, etnólogos evitam o termo “paganismo”, por seus significados incertos e variados, referindo-se à fé tradicional ou histórica, preferindo categorias mais precisas, tais como o politeísmoxamanismopanteísmo ou animismo.

Desde o século XX, os termos “pagão” ou “paganismo” tornaram-se amplamente utilizados como uma auto-designação por adeptos do neopaganismo. Como tal, vários estudiosos modernos têm começado a aplicar o termo de três grupos distintos de crenças: politeísmo histórico (como a mitologia celta e o paganismo nórdico), religiões indígenas, folclóricas e étnicas (como a religião tradicional chinesa e as religiões tradicionais africanas) e o neopaganismo (como a wicca, o reconstrucionismo helénico e o neopaganismo germânico).

Paganismo, atualmente, é um termo muito mal empregado, pois se refere a pessoas que cultuam divindades da Natureza e se tornou sinônimo equivocado de politeísmo ou ateísmo. Porém, há pessoas não-batizadas cristãs que são monoteístas (islamitas e judeus) e jamais poderiam ser considerados pagãos; se ateus sequer acreditam em divindades, não podem ser chamados de pagãos. Etnólogos consideram o termo paganismo impreciso e preferem usar outros melhores e precisos como animismo, panteísmoxamanismo e politeísmo.

Paganismo, no século 20, se tornou significado de religiões orientais e indígenas ou relacionado às culturas Ocidental, Oriental, indígena, aborígene etc.; religiões étnicas não-abraâmicas ou ainda religiões que não estão organizadas como civis, apenas expressando correntes rurais e locais. Tem sido tratado como “espiritualidade” ou “religiosidade” e o paganismo não é uma religião, mas há religiões que manifestam culturas pagãs (bruxaria italiana, ibérica, celta, santeria, wicca e tantas outras).

Paganismo pode se referir ao politeísmo histórico (mitologia celta, paganismo nórdico dos vikings); às religiões étnicas como a religião tradicional chinesa e as religiões tradicionais africanas; às religiões indígenas e folclóricas; ou ao neopaganismo, que é a afinidade e admiração pelos princípios ligados à compreensão da Natureza como força criadora (wicca, reconstrucionismo helênico, neopaganismo germânico etc.).

Há esquemas que dão forma e concretude à espiritualidade e à cultura pagã, bem como ideais, liturgias e costumes religiosos típicos, locais e ancestrais, que apresentam diferenças entre si, mas características básicas permanecem como típicas do Paganismo:

  • Radical imanência divina na própria Natureza e em fenômenos naturais, incluindo as pessoas.
  • Religiosidade baseada no feminino e representada pela Grande-Mãe.
  • O masculino surge a partir dessa referência feminina básica, como filho e consorte só conhecido a partir da Deusa (provedor ou educador).
  • Ausência de dualismo e noções de opostos (bem x mal, céu x inferno, matéria x espírito).
  • Ausência das noções de pecado, inferno e mau absoluto.
  • Sacralidade da Terra e ausência de templos, mas com “sítios sagrados” (bosques, poços ou montanhas), posteriormente “templos pagãos”.
  • Imanência dos deuses e ancestralidade divina permitem relações pessoais humanos-deuses – deidades antropomórficas.
  • Calendário religioso sazonal, agrícola, com caráter de fertilidade com festividades em momentos de mudança de ciclos naturais.
  • Sem dogmatismos ou estruturas religiosas padronizadas.
  • Liberdade de cultuar deuses da forma que as pessoas desejarem, religiosidade doméstica ou pequenos grupos – laços de sangue ou compromisso. Grandes festivais são rituais comunitários e comprometem todos da comunidade.
  • Religiosidade mágica com a Natureza.
  • Religiões de comunhão visam harmonizar-se com a Natureza, intuitivas e emocionais, não proselitistas.
  • Respeito aos ancestrais, tradicionalismo de continuidade na egrégora ancestral, repetição dos mesmos ritos, épocas. União mística com aqueles que já celebraram antes rompe o tempo e estabelece relação mágica com ele: tornar presente o momento primevo de sua realização e todos que dele tenham participado ao longo dos tempos.
  • Perspectiva cíclica e certeza do eterno retorno.
  • “outro mundo” sem o ideal de vida pós-morte, mas dentro do ciclo da comunidade, passagem entre uma vida e o renascimento. Encontro com deidade sempre na comunhão com a Natureza e não no outro mundo.

Etimologia

A palavra pagão provém do latim paganus, cujo significado é o de uma pessoa que viveu numa aldeia, num dado país, um rústico. O uso mais comum da palavra no latim clássico era utilizado para designar um civil, alguém que não era um soldado. Em torno do século IV, o termo paganus começou a ser utilizado entre os cristãos no Império Romano, para se referir a uma pessoa que não era um cristão e que ainda acreditava nos antigos deuses romanos.

O historiador Peter Brown observa:

A adoção da palavra latina paganus pelos cristãos como um termo pejorativo abrangente para politeístas, representa uma vitória imprevista e, singularmente, de longa duração de um grupo religioso, com o uso de uma gíria do latim originalmente desprovida de significado religioso. A evolução ocorreu apenas no Ocidente latino e em conexão com a igreja latina. Em outra parte, “heleno” ou “gentios” (ethnikos) manteve-se a palavra “pagão”; e paganos continuou como um termo puramente secular, com toques de inferioridade.

Os estudiosos ofertam três explicações para a utilização da palavra. A primeira é que a população cristã era geralmente concentrada nas cidades de Roma e Constantinopla, enquanto as pessoas das áreas rurais – os pagani – geralmente eram adeptos da “velha religião”, adorando Júpiter e Apolo em vez de Cristo; cf. Paulo Orósio Histories 1. Prol. “Ex locorum agrestium compitis et pagis pagani vocantur.” A segunda possível explicação é a de que os cristãos referiam-se a si próprios como milites – soldados de Cristo; e chamavam os não-cristãos de pagani – os civis. Uma terceira explicação é que paganus pode significar simplesmente um estranho, não parte da comunidade, e os primeiros cristãos utilizavam essa palavra desta maneira.

Paganus passado em eclesiástico latino, quando chegou ao longo do tempo para se referir à fiel de qualquer religião que não sejam o cristianismo.

Nos estudos acadêmicos acerca do Paganismo, têm sido discriminados alguns conceitos de referência:

Paleopaganismo

Incluem-se neste conceito as religiões do Antigo Egito, do mundo greco-romano da Antiguidade Clássica, a antiga religião dos celtas (druidismo), a religião Norse ou mitologia nórdicamitraísmo, bem como as religiões das populações nativo-americanas, como a religião asteca, etc.

História

Antiguidade Clássica

O Partenon, na Acrópole de Atenas, Grécia

Ludwig Feuerbach definiu o paganismo da Antiguidade Clássica, que ele denominou Heidentum, como “a unidade da religião e da política, do espírito e da natureza, de Deus e do homem”, qualificada pela observação de que o homem no pagão a visão é sempre definida por etnia, ou seja, grego, romano, egípcio, judeu, etc., para que cada tradição pagã seja também uma tradição nacional. Os historiadores modernos definem o paganismo em vez disso como o agregado de atos de culto, dentro de um contexto cívico e não “nacional”, sem um credo escrito ou sentido de ortodoxia.

Antiguidade tardia e cristianização

Os desenvolvimentos no pensamento religioso do Império Romano distante durante a Antiguidade Tardia devem ser abordados separadamente, porque este é o contexto em que o próprio cristianismo primitivo se desenvolveu como um dos vários cultos monoteístas e foi nesse período que o conceito de “pagão” foi criado. À medida que o cristianismo emergia do judaísmo do Segundo Templo (ou judaísmo helenístico), ele estava em competição com outras religiões que defendiam o monoteísmo pagão, incluindo o culto de Dionísio, o neoplatonismo, o mitraísmo, o gnosticismo e o maniqueísmo. O deus Dionísio tem paralelos significativos com Cristo, de modo que vários estudiosos concluíram que a reformulação do rabino errante chamado Jesus na imagem de Cristo Logos, o salvador divino, reflete diretamente o culto a Dionísio. Eles apontam para o simbolismo do vinho e a importância que ele tem na mitologia em torno de Dionísio e Jesus Cristo; Wick argumenta que o uso do simbolismo do vinho no Evangelho de João, incluindo a história das Bodas de Caná na qual Jesus transforma a água em vinho, teve como objetivo mostrar Jesus como superior a Dionísio. A cena em As Bacantes em que Dionísio aparece antes do rei Penteu ser acusado de reivindicar a divindade é comparada à cena do Novo Testamento, quando Jesus é interrogada por Pôncio Pilatos.

Maomé e islamização na Arábia

Dhu Shara, uma divindade pré-islâmica

paganismo árabe desapareceu gradualmente durante a era de Maomé através da islamização. Os meses sagrados dos pagãos árabes eram os 1º, 7º, 11º e 12º meses do calendário islâmico Depois que Maomé conquistou Meca, ele se propôs a converter os pagãos. Uma das últimas campanhas militares que Maomé ordenou contra os pagãos árabes foi a demolição de Dhu’l-Halasa. Ocorreu em abril e maio de 632, em 10AH do calendário islâmico. Dhu’l-Halasa é referido como um ídolo e um templo e era conhecido por alguns como a Caaba do Iêmen, construído e adorado por tribos pagãs.

Início da Era Moderna

O interesse pelas tradições pagãs foi revivido pela primeira vez durante o Renascimento, quando a “magia do Renascimento” era praticada como um avivamento da magia greco-romana. No século XVII, a descrição do paganismo passou do aspecto teológico para o etnológico e as religiões começaram a ser entendidas como uma parte das identidades étnicas dos povos e o estudo das religiões dos povos “primitivos” desencadeou questões quanto a a origem histórica final da religião. Assim, Nicolas-Claude Fabri de Peiresc via as religiões pagãs da África do seu tempo como relíquias que, em princípio, eram capazes de expor o paganismo histórico da Antiguidade Clássica.

Romantismo

O paganismo reporta como um tema de fascínio no romantismo do século XVIII ao XIX, em particular no contexto das reviravoltas literárias celtas e viquingues, que retrataram os politeístas celtas e germânicos históricos como nobres selvagens. O século XIX também viu um grande interesse escolar na reconstrução da mitologia pagã, do folclore ou de contos de fadas. Isto foi notoriamente tentado pelos Irmãos Grimm, especialmente Jacob Grimm em sua Mitologia Teutônica, e Elias Lönnrot com a compilação do Kalevala. O trabalho dos Irmãos Grimm influenciou outros colecionadores, inspirando-os a colecionar contos e levando-os a acreditar que os contos de fadas de um país eram particularmente representativos dele, à negligência da influência transcultural. Entre os influenciados estavam o russo Alexander Afanasyev, os noruegueses Peter Christen Asbjørnsen e Jørgen Moe e o inglês Joseph Jacobs.

O interesse romantismo na antiguidade não clássica coincidiu com o surgimento do nacionalismo romântico e o surgimento do Estado-nação no contexto das Revoluções de 1848, levando à criação de épicos nacionais e mitos nacionais para os vários Estados recém-formados. Os tópicos pagãos ou folclóricos também eram comuns no nacionalismo musical do período.

Neopaganismo

Uma cerimônia neopagã em Avebury, Reino Unido, que ocorreu durante o Beltane, em 2005

Ritual do Politeísmo Helênico

O neopaganismo inclui religiões reconstruídas como o reconstrucionismo do Politeísmo HelênicoCelta ou Germânico, bem como modernas tradições ecléticas como discordianismo, ou Wicca e suas muitas correntes.

Muitas dessas “reconstruções”, como o Wicca e neo-druidismo em particular, têm suas raízes no romantismo do século XIX e reter os elementos visíveis do ocultismo ou teosofia que estavam em curso, então, que os distingue religião e folclore histórico rural (paganus).

Nos Estados Unidos estão cerca de um terço de todos os neopagãos em todo o mundo, representando cerca de 0,2% da população do país, figurando como a sexta maior denominação não-cristã, depois do judaísmo (1,4%), islamismo (0,6%), budismo (0,5%), hinduísmo (0,3%) e o Unitário-Universalismo (0,3%).

Na Islândia, os membros do grupo neopagão Ásatrúarfélagið representam 0,4% da população total do país. Na Lituânia, muitas pessoas Romuva, uma versão reconstruída da religião pré-cristã do país. A Lituânia foi uma das últimas áreas da Europa a ser cristianizada.

Há uma série de autores neopagãos que analisaram a relação dos movimentos reconstrucionistas do século XX com o politeísmo histórico e com as tradições contemporâneas de religião e folclore indígena. Isaac Bonewits introduz uma terminologia para fazer essa distinção:

Prudence Jones e Nigel Pennick em seu livro “História da Europa Pagã” (1995) classifica “as religiões pagãs” pelas seguintes características:

  • Politeísmo: religiões pagãs que reconhecem uma pluralidade de seres divinos, que podem ou não podem ser considerados aspectos de uma unidade básica;
  • “Baseado na natureza”: as religiões pagãs que têm uma noção da divindade da natureza, que eles vêem como uma manifestação do divino, não como a criação do “caído” encontrado na cosmologia dualista.
  • “Sagrado feminino”: religiões pagãs que reconhecem “o princípio feminino divino”, identificado como “Deusa” (em oposição a deusas individuais), além ou no lugar do princípio divino masculino, expressa no Deus abraâmico.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

https://www.infoescola.com/religiao/paganismo/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s