O que tenho, isso te dou

       O lugar foi o município de Ponta das Pedras, no Pará, numa comunidade chamada Fortaleza, lugar marcado pela típica natureza exuberante da Amazônia e pela simplicidade e carinho dos ribeirinhos. Ele era um rapaz de 28 anos, jovem e forte. Chegou numa cadeira de rodas. Mas reparei no fato de suas pernas não serem atrofiadas. A queixa era uma dor no estômago e nada mais. Talvez, acostumado com a pressa dos atendimentos anteriores, não queria nos incomodar com longas histórias. Perguntei então o que havia acontecido para estar numa cadeira de rodas. Ele deu um suspiro e começou a contar. 

       O fato foi um “cisto” que havia aparecido em sua coluna e que havia sido retirado, mas desde então, mesmo após muitas sessões de fisioterapia na capital, Belém, ainda não tinha recuperado a força para voltar a andar. O dinheiro e a paciência para ficar na cidade esperando o atendimento, pelo sistema público de saúde, haviam acabado. Ele então voltou para casa, distante 4 horas de barco da capital, sem andar e sem esperanças.

       Foi aí que chamei nossa querida voluntária Naira, fisioterapeuta, de São Paulo. Percebemos que aquele rapaz poderia voltar a andar, com alguma orientação e muito esforço. Aquele não era um quadro com danos irreversíveis, era ele quem já estava quase conformado. Lembrei-me daquela passagem: “Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda!” (Atos, 3.6). Ele não voltou a andar imediatamente, mas com muito carinho Naira ensinou a ele algumas técnicas e exercícios que iriam ajudá-lo a fortalecer a musculatura e coordenar melhor os movimentos das pernas e, por fim, voltar a andar.

       Nossas profissões, somadas ao amor que Cristo colocou em nossos corações, devolveram a esperança ao moço. Depois ele nos perguntou: “Por que tanto amor, tanto interesse em me ajudar?”. Então ele começou a ouvir sobre a fonte de tanto amor: nosso amado Jesus. O desafio é amar.

(Originalmente publicado no boletim Visão do Alto de Asas do Socorro)

Otnaracy Silva

Otnaracy Silva é medica de Asas de Socorro, uma organização não governamental (ONG) humanitária cristã, que atua em regiões isoladas do país, em cooperação com outras entidades, com propósito de fornecer apoio logístico através de transporte aéreo, programas assistenciais e desenvolvimento comunitário.

Paralelo 10 da Ultimato

 

Esse post foi publicado em Mensagens Pessoais, Missões, Periódicos, Ultimato. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s