O mistério da iniquidade – um processo histórico

“C.S.Lewis dizia que o diabo nos apresenta armadilhas aos pares. Ele sabe da nossa compulsão pela radicalidade. Sabe que, ao evitarmos uma armadilha nos afastamos tanto dela que cairemos na outra. Para ele, tanto faz em qual delas cairemos. Contanto que não sejamos sensatos, porque a sensatez pode nos livrar das duas.”

2ªTs 2.7

“A verdade é que o mistério da iniquidade já está em ação” 

Não era novidade na época de Paulo. Não deve ser novidade em nosso tempo. Mas alguns custam a enxergar ou a entender “o mistério da iniquidade” a que Paulo se refere. E quando o descobrem, pensam que a questão é atual e não um processo histórico. Daí a tentação de dizer que os dias de hoje nunca foram tão difíceis e nunca houve tanta apostasia, tanto pecado, tanta maldade. À igreja dos tessalonicenses, o apóstolo dá a seguinte explicação:

“A verdade é que o mistério da iniquidade já está em ação” (2ªTs 2.7).

Para entender sem dificuldade o que é o mistério da iniquidade ou o mistério da impiedade, também chamado de “a força oculta da iniquidade” (Bíblia do Peregrino) e de “a Misteriosa Maldade” (NTLH), é preciso contrastar esse mistério com outro, o “mistério do evangelho” (Ef 6.19).

Ambas as expressões são da lavra do apóstolo Paulo. O mistério do evangelho diz respeito ao plano de Deus de “unir, no tempo certo, debaixo da autoridade de Cristo, tudo o que existe no céu e na terra” (Ef 1.10, NTLH). Já o mistério da iniquidade diz respeito ao plano diabólico de não fazer convergir em Cristo toda a longa e sofrida história humana. Chamam-se mistérios ou segredos porque ambos são gerados e geridos à margem da sociedade e à margem da história, de forma não plenamente visíveis.

O mistério do evangelho e o mistério da iniquidade são opostos entre si e estão permanentemente em conflito aberto. Pois um deles se baseia na verdade e o outro, na mentira. Enquanto Jesus é a encarnação da verdade — “a graça e a verdade vieram por intermédio de Cristo” (Jo 1.17) —, o diabo é a encarnação da mentira — “Quando [ele] mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira” (Jo 8.44). Os dois mistérios usam o advérbio “certamente” em seus discursos. Deus afirma de maneira categórica: “Não coma a fruta dessa árvore [a árvore do conhecimento do bem e do mal]; pois, no dia em que você a comer, certamente morrerá” (Gn 2.17, NTLH). E a “a antiga serpente, que é o diabo” (Ap 20.2), afirma categoricamente o contrário: “Certamente [você e seu marido] não morrerão” (Gn 3.4).

A declaração de guerra entre o mistério do evangelho e o mistério da iniquidade aconteceu logo após a queda: “Porei inimizade entre ti [a serpente] e a mulher, e entre a tua descendência e sua descendência; ele [a semente da mulher] te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15, BH).

Só o mistério do evangelho pode nos libertar do mistério da iniquidade (Jo 8.32). A graça irresistível de Deus pode nos resgatar do poder aparentemente irresistível das trevas e nos transportar para o Reino do seu Filho amado (Cl 1.13).

A noção do mistério da iniquidade tem de penetrar em nosso cotidiano, exatamente porque é uma presença constante e clandestina, que lida com forças ocultas, com sinais e prodígios de mentira e com falsos mestres, falsos apóstolos e falsos cristos (Mt 24.1-35; 2ªTs 2.9; Ap 13.1-18).

É preciso ter sempre em mente aquela explicação dada por Jesus na Parábola do Joio: depois da semeadura da boa semente, “enquanto todos dormiam, veio o inimigo e semeou o joio no meio do trigo e se foi” (Mt 13.25). Nesse e em muitos outros discursos, Jesus se refere aos bastidores da iniquidade — o lado encoberto da maldade. O mistério da iniquidade serve-se de homens e mulheres que são como “belos túmulos — cheios de ossos de pessoas mortas, de podridão e sujeira” (Mt 23.27, BV).

Ultimato Edição 309

novembro/dezembro 2007

Anúncios
Esse post foi publicado em Desvios, Estudo Biblico, Periódicos, religiões e seitas, Ultimato. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para O mistério da iniquidade – um processo histórico

  1. Apostasia remonta a ideia de decaída deserção, rebelião, abandono, retirada ou afastamento daquilo que antes se estava ligado. Em relação à nossa fé, apostasia significa romper o relacionamento salvífico com Cristo. Geralmente esse fenômeno se manifesta na esfera moral e ética bem como na esfera doutrinária. Neste tempo de apostasia, à luz da da carta de Hebreus, somos chamados a perseverar na comunhão com Cristo e a viver em fé na esperança renovada de que um dia estaremos para sempre com o Senhor.

    Apostasia

    “[Do gr. apostásis, afastamento]Abandono premeditado e consciente da fé cristã. No Antigo Testamento, não foram poucas as apostasias cometidas por Israel. Só em Juízes, há sete desvios ou abjuração da verdadeira fé em Deus. Para os profetas, a apostasia constituía-se num adultério espiritual. Se a congregação hebreia era tida como a esposa de Jeová, deveria guardar-lhe fielmente os preceitos, e jamais curvar-se diante dos ídolos.”

    CONCLUSÃO

    O capítulo 6 de Hebreus contém uma das mais fortes exortações encontradas em todo o Novo Testamento — a necessidade de perseverança e vigilância para não se decair da fé.O processo da salvação não se dá de forma mecânica e nem compulsória, mas se firma na entrega e aceitação voluntária a uma dádiva divina. A tudo isso temos que responder com amor, cuidado e zelo (1ªCo 10:7_13). Essa exortação de forma alguma deve levar-nos ao medo, pavor ou pânico, mas conduzir-nos a confiar inteiramente no Senhor que é poderoso para guardar-nos até o dia final.

    Lições Bíblicas 1ºtrimestre 2018 Adultos – CPAD

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s